Home Cassino Americano processa cassino após perder US$ 500 mil enquanto estava bêbado
< Voltar

Americano processa cassino após perder US$ 500 mil enquanto estava bêbado

11/03/2014

Compartilhe

Um empresário americano que perdeu o equivalente a US$ 500 mil (cerca de R$ 1,17 milhão) em um cassino de Las Vegas está processando a casa alegando que ela não deveria ter permitido que ele jogasse, por estar bêbado demais.

A ação judicial do californiano Mark Johnston visa anular a dívida e busca indenização por ter seu nome "manchado".

Johnston, de 52 anos, é um vendedor de carros e agente imobiliário. Ele chegou ao cassino no dia 30 de janeiro deste ano, durante o final de semana e jogou por 17 horas.

Pelas leis do Estado americano da Nevada, clientes que estão visivelmente bêbados não deveriam ter permissão para jogar.

O cassino não se pronunciou oficialmente sobre o incidente, mas há relatos de que os proprietários pretendem acionar Mark Johnston legalmente, a fim de que ele pague a dívida.

Johnston afirma que o Downtown Grand serviu a ele 20 bebidas antes de ele ter começado a jogar – nas mesas de blackjack e pai gow (um jogo chinês adaptado nos Estados Unidos para ser jogado com carteado de pôquer). Ele diz que havia tomado dez bebidas antes de chegar ao cassino.

Batedor de carteira

Em entrevista à rede de TV CNN, Johnston afirmou: "Olha, eu bebi alguns drinques no aeroporto. Bebi um drinque no avião. Você sabe, até certo ponto é a minha responsabilidade, ok".

"Mas o lado ruim para eles (o cassino) é que eles têm mais responsabilidade do que eu”, acrescentou.

Johnston disse: "Imagine um bêbado andando pela rua e alguém vai lá e bate a carteira dele. É como eu compararia."

Seu advogado, Sean Lyttle, disse à agência Associated Press que se trata de um "caso extraordinário".

"Alguém que estava intoxicado à beira de perder a consciência e que não era nem capaz de ver suas cartas e um cassino continua a lhe servir bebidas e a lhe dar mais fichas”, afirmou.

O órgão que regula o jogo no Estado de Nevada disse que está investigando o caso. (UOL Notícias com BBC)