Home Blog Somente 16% dos japoneses são favoráveis a legalização dos cassinos
< Voltar

Somente 16% dos japoneses são favoráveis a legalização dos cassinos

10/07/2018

Compartilhe

Confiança dos japoneses no governo de Shinzo Abe supera taxa de rejeição pela primeira vez desde abril

O portal IPC Digital informa que uma pesquisa realizada pela Rede de NHK WEB NEWS de Tóquio conduzido pela emissora entre os dias 6 e 9 de julho com homens e mulheres de todo o país e acima dos 18 anos sobre vários temas do governo do primeiro-ministro Shinzo Abe, inclusive sobre os cassinos. A pesquisa foi realizada por telefone e celular e coletou a resposta de 1.221 pessoas.

Sobre a lei de regulamentação dos cassinos, a proposta não foi bem avaliada pelos japoneses. Apenas 16% concordam com as duras leis que limitam a entrada nos cassinos. O percentual de pessoas contrárias a lei é de 34%, enquanto 40% não tem uma opinião formada sobre o assunto.

Mas a confiança dos japoneses em relação ao governo do primeiro-ministro Shinzo Abe mostrou sinais de recuperação na pesquisa realizada pela NHK. A taxa de apoio ao governo do primeiro-ministro Shinzo Abe, que apresentava tendência de queda nos meses anteriores, pela primeira vez desde abril superou a taxa de rejeição. Com o aumento de 6% em relação à junho, o número de pessoas satisfeitas com o atual governo chegou à 44%. Já o número dos que não apoiam caiu em 5%, alcançando 39%.

Entre os principais motivos de apoio ao governo temos a impressão dos japoneses de que o atual governo é melhor do que os anteriores, com 48% selecionando essa opção. Já para 19% o governo tem tido sucesso na aplicação de suas propostas, o que gera confiança na população. Por fim, para 15% o primeiro-ministro tem o apoio dos partidos políticos, o que garante uma gestão estável e confiável.

Por outro lado, entre os motivos dos que não apoiam o governo podemos citar a falta de confiança na figura do primeiro-ministro Shinzo Abe, com 51% desaprovando a sua conduta. Para outros 23% o governo atual não é digno de confiança, não sendo possível guardar grandes expectativas na aplicação de novas políticas.