MagocomSegunda-Feira, 25 de Setembro de 2017 Assine o BNLCadastre-se
Blog do editor









Busca

Blog do editor < Voltar

Blog do editor

Magnho José

Kim Jong-un executou mais de 300 pessoas, inclusive o tio porque apostou no cassino 10/01/2017 11:58:25

O líder norte-coreano Kim Jong-un executou o próprio tio, Jang Song Thaek devido a apostas em cassino

O ditador norte-coreano, Kim Jong-un, ordenou a morte de mais de 300 pessoas desde que assumiu o poder há cinco anos. De acordo com o Instituto de Estratégia de Segurança Nacional (INSS), um think tank sul-coreano, Kim usou as execuções para aumentar seu poder no país mais isolado do mundo.

Cerca de 140 dos 340 mortos desde 2011 eram altos funcionários do governo. Os números foram divulgados no relatório do INSS "O desgoverno dos cinco anos de Kim Jong-un no poder", divulgado na quinta-feira (29).

A execução mais significativa foi a do tio de Kim, Jang Song Thaek, em 2013. Ele foi acusado de uma lista enorme de crimes que vão de corrupção, traição e golpe contra o Estado a apostas em cassino, vida depravada e consumo de álcool.

Comento: Brasil = Coreia do Norte

Infelizmente, o Brasil está no mesmo patamar da Coreia do Norte com relação aos jogos de azar, pois nos dois países o jogo é proibido.

Como bem colocou o presidente da Loteria do Estado do Rio de Janeiro – LOTERJ, Sérgio Ricardo de Almeida durante a Comissão Geral, realizada no dia 13 de dezembro no Plenário da Câmara dos Deputados: “Nós temos que escolher o lado que vamos estar. De um lado, estão a França, a Itália, a Argentina, a Alemanha, Portugal, os Estados Unidos, países que têm o jogo legalizado. Do outro lado, está o Estado Islâmico, o Camboja, a Coreia do Norte e o Khmer Vermelho, que estão com o jogo na ilegalidade. Nós temos que escolher o nosso lado neste momento do século XXI”, comentou.

O único diferencial é que na Coreia do Norte – uma ditadura absolutista e sanguinária –, as pessoas que apostam em jogos de azar são executadas por um ditador cruel. Já aqui no Brasil assistimos parlamentares e veículos de comunicação fazendo lobby para manter o jogo na clandestinidade.

Aliás...

Agora, imagina se o ‘Xará do Mal’ tivesse os mesmos poderes do Kim Jong-um da Coreia do Norte? Apesar de orientação evangélica, ele executaria muitos ‘contraventores’ internacionais que desejam operar o jogo no Brasil em caso de legalização.

Comentários (0)

Para comentar essa postagem você deve estar logado!

Clique aqui para se logar ou se ainda não for cadastrado cadastre-se aqui.