Home Destaque Comissão de Ética não vê provas de que ex-vice da Caixa cometeu crime de tráfico de influência
< Voltar

,

Comissão de Ética não vê provas de que ex-vice da Caixa cometeu crime de tráfico de influência

20/02/2018

Compartilhe

A Comissão de Ética Pública da Presidência decidiu, por maioria, absolver a ex-vice-presidente da Caixa Econômica Federal Deusdina dos Reis Pereira da acusação de tráfico de influência

A Comissão de Ética Pública da Presidência decidiu, por maioria, absolver a ex-vice-presidente da Caixa Econômica Federal Deusdina dos Reis Pereira da acusação de tráfico de influência.
Segundo o presidente do colegiado, Mauro Menezes, “a comissão entendeu que não teria provas suficientes para configurar infração ética”.
O processo foi aberto na comissão em novembro do ano passado. O colegiado analisou a suspeita de que Deusdina teria usado e-mail corporativo para “troca de interesses” na concessão de um empréstimo de R$ 200 milhões da Caixa à Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), tendo como contrapartida um cargo para ela no conselho da empresa.
O caso foi encaminhado à comissão pela própria Caixa.
“Os conselheiros, por maioria, entenderam que a mensagem eletrônica enviada pela ex-vice-presidente da Caixa ao atual presidente da Cemig, ele assumiu três dias depois, não seria suficiente a configurar uma infração ética. Não seria suficiente a dar margem a noção de que teria havido tráfico de influência ou influência indevida. Foi uma decisão tomada por 3 votos a 2”, afirmou o presidente da comissão.

Deusdina havia sido afastada do cargo pelo presidente Michel Temer em janeiro deste ano. No mesmo mês, ela foi destituída da vice-presidência pelo Conselho de Administração da Caixa.
O processo foi retomado nesta segunda após pedido de vista feito por Mauro Menezes, na última reunião, realizada mês passado. Naquela oportunidade, os conselheiros decidiram aplicar censura ética como punição ao ex-ministro da Indústria, Marcos Pereira, e ao ex-vice-presidente da Caixa, Antônio Carlos Ferreira. (Por Roniara Castilhos e Guilherme Mazui, TV Globo e G1, Brasília)