Home Destaque Conheça as ações das Loterias CAIXA para promover o Jogo Responsável
< Voltar

,

Conheça as ações das Loterias CAIXA para promover o Jogo Responsável

19/03/2019

Compartilhe

Gilson Braga: “Desenvolvemos ações para educar e conscientizar os apostadores das Loterias CAIXA” (Foto: Ana Nascimento/CAIXA Notícias)

Jogar deve ser, acima de tudo, uma atividade divertida e lúdica, uma forma de entretenimento, sem afetar o bem-estar do apostador. A experiência em apostar precisa ser consciente e recreativa para que se mantenha uma relação saudável com os jogos, ou seja, não pode interferir negativamente na vida pessoal e financeira do apostador.
A CAIXA tem uma história de 56 anos administrando as Loterias Federais no Brasil e, ao longo desse tempo, os sorteios lotéricos tornaram-se importante fonte de recursos para as áreas da educação, esporte, cultura, segurança, saúde e seguridade social. Para além desse papel, a partir de 2014 as Loterias CAIXA aderiram aos princípios e requisitos disseminados pela World Lottery Association (WLA) para ser certificada como promotora do Jogo Responsável.
O Nível 3, de um total de quatro níveis possíveis da Certificação, foi alcançado pela CAIXA em março de 2017, após promover o planejamento e a implementação de boas práticas voltadas para a indústria do jogo, respeitando os princípios legais e éticos, bem como os pilares mais abrangentes da responsabilidade social corporativa, através de um modelo de negócio sustentável.
“Temos desenvolvido uma série de ações como, por exemplo, limitar a quantidade de jogos que a pessoa pode fazer por dia ou por semana nos canais online, como o Internet Banking e o Portal de Loterias, disponibilizar informação sobre centros especializados no acompanhamento psicológico para as pessoas com ludomania e divulgar a informação de que o jogo é uma atividade restrita a adultos, entre outras ações mitigadoras que visam proteger o nosso público”, explica Braga.

 
A estrutura do Programa do Jogo Responsável da CAIXA é composta por 10 ações, alinhadas à recomendação da WLA, cujas diretrizes estabelecem o desenvolvimento de políticas e práticas voltadas à prevenção do jogo compulsivo, orientação de tratamento e mitigação da exposição de vulneráveis, como menores de idade, ao ambiente do jogo.
Desde o momento em que os produtos lotéricos são desenvolvidos, há o cuidado para evitar a criação de jogos com potencial de risco para os apostadores desenvolverem a ludomania, que consiste na patologia de compulsão do jogo. As modalidades em comercialização são avaliadas periodicamente também nesse sentido, por meio de ferramenta específica para o Jogo Responsável, segundo as melhores práticas mundiais.
O objetivo dessas medidas é oferecer produtos lotéricos seguros e confiáveis ao público, de maneira que o apostador jogue com responsabilidade. “Os jogos administrados pelas Loterias CAIXA são considerados de menor risco para apostadores, as modalidades com maior risco de desenvolver o jogo compulsivo (ou jogo patológico) são aquelas de resultado imediato, como caça-níquel ou baralho, que levam as pessoas a extrapolar seus limites”, comenta Gilson Braga.
Assim como acontece com o vício em drogas ou álcool, nem sempre a pessoa consegue detectar que tem o problema no momento em que ele surge. Sem perceber, o vício pode se agravar ao ponto de causar problemas no relacionamento familiar, no círculo de amizades e no trabalho. Na medicina, a ludomania é considerada uma dependência, assim como aqueles transtornos causados pelo uso de substâncias psicoativas, como álcool e drogas, por exemplo. Nesse
sentido, quanto mais cedo o problema for percebido e tratado, mais rápida poderá ser a recuperação.
Características de um jogador patológico
Profissionais especializados de instituições de apoio aos dependentes apontam que o jogador patológico é alguém incapaz de resistir aos impulsos de jogar. Essa compulsão pode levar a graves consequências pessoais e sociais, mas tudo pode começar de maneira agradável, com pequenas apostas em jogos de azar com amigos e familiares.
A vida de quem tem transtorno do jogo compulsivo é caracterizada por muitos altos e baixos, perdas significativas e ganhos efêmeros. Essas pessoas têm comportamentos que provocam alterações em regiões cerebrais relacionadas ao prazer. Quanto mais jogam e apostam, maior é a influência nessas regiões do cérebro. Ao realizar o comportamento que gera prazer, o jogador compulsivo tem aumentados os níveis de dopamina, neurotransmissor responsável por controlar os centros de recompensa e de prazer do cérebro. Isso faz com que a pessoa busque de novo o mesmo comportamento. É como se o cérebro a obrigasse a fazer isso.
No portal do Jogo Responsável (www.jogoresponsavel.com.br) constam informações sobre o tema e o apostador pode também realizar um teste de autoavaliação. O teste busca identificar se o apostador é um jogador responsável ou se apresenta sinais de vício em jogos. Aquele que se enquadrar como um possível apostador compulsivo é recomendado a  buscar informações pelo telefone da CAIXA 0800-7260101 ou diretamente nas instituições indicadas no portal para obter uma avaliação completa por profissionais. (CAIXA Notícias)