Contratuh defende a legalização dos cassinos

Compartilhar

A Legalização dos cassinos é uma das mais antigas bandeiras da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Turismo e Hospitalidade (Contratuh). Hoje, o Brasil e a Bolívia são os únicos países americanos onde o funcionamento dos cassinos não é legalizado, ficando na contramão do entretenimento e da geração de empregos.
A discussão sobre a regulamentação dos cassinos é antiga. No Congresso Nacional, há pelo menos uma dezena de projetos tratando do assunto, cuja tramitação, durante os dois mandatos de FHC, avançou muito pouco. O tema é polêmico, é verdade, mas não deveria cair no esquecimento, pois a legalização teria grande impacto econômico.
Estima-se que os cassinos poderiam gerar cerca de 160 mil empregos em todo o país. E os benefícios não param por aqui. Imagine a receita que o governo está abrindo mão com a não-regulamentação dos cassinos. Os investimentos nesses estabelecimentos são privados, mas gerariam uma receita ao Estado, a partir da cobrança de impostos.
A Contratuh faz questão de rebater os argumentos de que os cassinos servem para lavar dinheiro e estimulam a criminalidade e a prostituição, por exemplo. Ora, não façamos um julgamento precipitado de milhões de trabalhadores que contam com esses locais de entretenimento como única fonte de sobrevivência. E, convenhamos, é justamente o fato desse ramo da economia funcionar na clandestinidade que garante um ambiente propício para a contravenção.
Sendo legalizada, a atividade ficará exposta a toda a sociedade para efeito de fiscalização. Nos países mais desenvolvidos, há comissões de fiscalização que reúnem entidades da sociedade civil organizada, governo e poder Judiciário para acompanhar o funcionamento dos cassinos.
O Brasil dispõe de instituições sérias que podem perfeitamente cumprir esse papel e assegurar que os cassinos terão o precípuo objetivo de impulsionar o mercado de trabalho e a economia de nosso País.
(*) Moacyr Roberto Tesch Auersvald é presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Turismo e Hospitalidade (Contratuh)
O Povo (CE) – Hoteleiro

Comentar com o Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Solve : *
19 − 18 =