Home Loteria Feijão, banana, loterias e carne foram os vilões da inflação em 2019
< Voltar

Feijão, banana, loterias e carne foram os vilões da inflação em 2019

13/01/2020

Compartilhe

André Braz, coordenador do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da FGV justifica alta da taxa do IPCA em 2019 pela pressão das carnes, combustíveis e loterias

A carne vermelha levou a fama de grande vilã da inflação nos últimos meses, mas outros produtos comuns no dia a dia do brasileiro — como feijão carioca, loteria e alho — subiram ainda mais que a carne no ano passado, em termos percentuais. O IBGE divulgou que a inflação de 2019 foi de 4,31% e ficou dentro da meta do governo. Se você acha que a inflação no seu bolso pesou mais, leia aqui como especialistas explicam isso.

As carnes em geral acumularam alta de 32% em 2019. O feijão carioca subiu 56%. Os jogos de azar ficaram 40,36% mais caros. O alho teve alta de 33,5%. Considerando os diferentes cortes de carne, a maior alta foi da capa de filé (+39,41%), seguida do acém (+36,22%), da costela (+35,07%) e do patinho (+33,85%).

 

Veja os vilões da inflação, que subiram mais de 30% em 2019:

 

  1. feijão branco: +98,21%
  2. feijão carioca: +55,99%
  3. banana da terra: +46,02%
  4. jogos de azar: +40,36%
  5. capa de filé: +39,41%
  6. acém: +36,22%
  7. costela: +35,07%
  8. patinho: +33,85%
  9. chã de dentro: +33,68%
  10. alho: +33,50%
  11. alcatra: +33,30%
  12. carnes em geral: +32,40%
  13. feijão fradinho: +32,15%
  14. pá (corte de carne): +32,11%
  15. peito (corte de carne): +31,67%
  16. filé mignon: +31,48%
  17. contrafilé: +30,33%
  18. lagarto comum: +30,22%

 

Mas o cenário de inflação em 2020 não preocupa, na avaliação do pesquisador André Braz, coordenador do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Getúlio Vargas (FGV), porque a aceleração da inflação no fim de 2019 foi concentrada em poucos itens. A carne, tanto vermelha quanto de aves e de porco, os bilhetes lotéricos da Caixa e os combustíveis foram os vilões dessa aceleração final da inflação. Justamente por serem poucos os vilões, o quadro climático favorável e a demanda fraca em meio à recuperação lenta da economia deverão manter a inflação comportada em 2020, disse Braz.

“Tivemos em novembro o reajuste dos jogos lotéricos. Pouco ouvimos falar disso, mas ali estão as loterias da Caixa. Elas não sobem de preço todo ano. A Caixa fica alguns anos sem reajustar e, aí, quando promove o reajuste, é um choque e tanto. Este ano, o reajuste médio foi de 40%. Mesmo que tenha um peso pequeno, faz diferença. Dois terços desse reajuste ficaram em novembro e um terço, em dezembro. Fora isso, tivemos também a aceleração do preço da gasolina e do etanol, que ajudaram um pouco a engrossar esse caldo”, comentou André Braz. (Com Economia UOL e Estadão.com)