Home Opinião Games estimulam o cérebro, revela estudo
< Voltar

Games estimulam o cérebro, revela estudo

30/07/2002

Compartilhe

A BBC World’s ClickOnline fez uma pesquisa para descobrir se existem os jogos de computador são tão danosos para a juventude quanto se diz e o resultado do estudo foi revelador: os jogos estimulam a atividade alfa do cérebro.
É de conhecimento geral que atletas, no ponto máximo de suas capacidades, podem ter um aumento no nível desse tipo de atividade do cérebro, apesar do fenômeno estar associado normalmente a um estado de repouso absoluto, como durante a meditação. Mas os principais atletas do mundo lutam para atingir o estado associado a essa atividade do cérebro, chamado de “Estado fluido”.
– O “Estado fluido” é a experiência psicológica máxima. É funcionar no piloto automático, quando tudo está no lugar e dá certo. É uma experiência altamente prazeirosa e é algo que não acontece normalmente com as pessoas – disse o Dr. Costas Karageorghis, professor de psicologia do esporte da Brunel University, na Grã-Bretanha.
A pesquisa recente sugeriu que existe a possibilidade de uma pessoa imersa em um jogo de computador atingir o mesmo nível de concentração reflexiva. A BBC foi até a Brunel University em Londres para testar a teoria com a ajuda da unidade de pesquisa de psicologia do esporte. A experiência utilizou desportistas acostumados a competições internacionais e jogadores de games igualmente acostumados à pressão de competições internacionais. Os participantes passaram um tempo praticando suas especialidades e depois preencheram um questionário de auto-análise chamado de ”Flow State scale version II”.
O questionário é um método científico reconhecido de análise e seu objetivo é avaliar nove fatores específicos associados ao estado fluido. Os resultados descobriram que ambos atingiram o estado fluido, até certo ponto. Ainda é necessário fazer mais experiências e mais pesquisa para comprovar os indícios, mas os jogos de computador podem vir a ser considerados uma ciência e um esporte no futuro.
GloboNews.com