Home Loteria Governo extingue os jogos Pimba, Roda da Sorte e Sena do Paraná.
< Voltar

Governo extingue os jogos Pimba, Roda da Sorte e Sena do Paraná.

29/10/2003

Compartilhe

As loterias Pimba, Roda da Sorte e Sena do Paraná foram extintas ontem. Os sorteios da Sena, no entanto, continuarão a ser realizados por mais oito dias úteis, prazo em que expiram as apostas feitas pelo sistema "teimosinha", que vale por oito sorteios seguidos. Com isso, segundo o presidente do Serviço de Loterias do Paraná (Serlopar), Mário Lobo, nenhum apostador sairá lesado com a extinção dos jogos, que eram mantidos pelo estado.
A "Seninha", como é mais conhecida a Sena do Paraná, está com o prêmio acumulado em R$ 962 mil. O Serlopar espera que alguém seja sorteado nas extrações que serão realizadas. Mas ainda não há definição do que será feito com o dinheiro se ninguém ganhar até lá.
A extinção dessas modalidades de aposta havia sido determinada pelo governador Roberto Requião no início do mês. Ele considera que jogos de azar como a Pimba e a Roda da Sorte induzem as pessoas à compulsão, pois são semelhantes aos caça-níqueis, modalidade de aposta que vem sendo combatida pelo governo do estado. A Pimba, por exemplo, realiza sorteios a cada quatro minutos, em um monitor de vídeo instalado nas lotéricas. E a Roda da Sorte é sorteada nos intervalos da Pimba.
A Sena do Paraná também vai ser extinta porque seus sorteios eram autorizados pelo mesmo contrato que terceirizou a operação da Pimba e da Roda da Sorte. Uma empresa particular, a Gtech, era responsável pelos sorteios. O convênio com a Gtech venceria no dia 30 de setembro. Mas foi renovado sem a prévia autorização do governador. Insatisfeito com a situação, Requião exonerou o então presidente do Serlopar, João Tadeu Serpa Nunes.
O atual presidente, Mário Lobo, afirmou que a prorrogação do contrato foi anulada.
Segundo ele, a renovação feriu a Lei de Licitações (n.º 8.666). A legislação, explicou Lobo, estabelece que o prazo máximo de um contrato de informática deve ser de quatro anos. E os quatro anos do convênio com a Gtech venceriam justamente em 30 de setembro. Segundo Lobo, os jogos de azar, que funcionavam em sistema de sorteio on-line, foram considerados contratos de informática. Ele ainda disse que a Gtech aceitou a decisão e não vai recorrer à Justiça. A empresa confirmou a informação e, em nota, informou que continuará a pagar os prêmios já ganhos até o domingo.
Aviso prévio
Todas as casas lotéricas do Paraná deveriam ser informadas ainda ontem da decisão. A Gazeta do Povo entrou em contato com o sindicato que representa esse segmento, mas ninguém quis se pronunciar. Em reportagem publicada no dia 8 deste mês, porém, o sindicato previa que a medida geraria cerca de 1,2 mil desempregados em todo o estado. Outros empresários do setor afirmaram que as perdas com a extinção dos jogos poderiam variar de 10% a 15% do faturamento.
Gazeta do Povo (PR) – Fernando Martins