Home Apostas Jogos de azar mantêm apostadores ativos com inteligência artificial
< Voltar

Jogos de azar mantêm apostadores ativos com inteligência artificial

03/05/2018

Compartilhe

É possível localizar geograficamente os clientes para identificar quando eles chegam aos estádios, para que possam solicitar, através de textos, que apostem no jogo que estão prestes a assistir

Os jogos de azar online estão usando inteligência artificial para mapear os hábitos de jogadores para mantê-los ativos. Para isso, eles analisam o perfil de cada usuário e oferece promoções nas horas certas para que eles não saiam do jogo. É isso que revela uma reportagem do jornal britânico The Guardian, que ouviu fontes ligadas a essa indústria.

Cada clique dos usuários é analisado para aumentar os ganhos da empresa por trás dos jogos, e não para melhorar a experiência de uso.

O jornal relaciona a prática dessas empresas com a falta de leitura e escrutínio de termos de serviço e privacidade de aplicativos desse tipo. Por outro lado, os termos são longos e as companhias não fazem questão alguma de facilitar o entendimento de pontos importantes do contrato.

“A indústria é voltada a levar as pessoas a se tornarem viciadas em algo que causa um dano imenso, não apenas à sociedade, mas também aos indivíduos e suas famílias. Eles são sanguessugas parasitárias e não vou pedir desculpas por dizer isso”, disse ao jornal Carolyn Harris, que é membra do parlamento pelo Labour Party (partido de centro-esquerda) e fez campanha pela reforma dos jogos com apostas.

A legislação ainda tenta se alinhar globalmente com o avanço das empresas de tecnologia e empresas de outros ramos que agora usam tecnologia para mudar ou melhorar a dinâmica das suas operações. Um dos recentes avanços nesse sentido é a legislação de proteção de dados da União Europeia, que fortalece a importância dos consumidores serem devidamente informados sobre pontos cruciais do contrato entre usuários e empresas, bem como garante a possibilidade de download de dados pessoais. (Revista Exame – Por Lucas Agrela)