Home Cassino MGM já tem ideias concretas para casinos no Japão
< Voltar

MGM já tem ideias concretas para casinos no Japão

25/05/2014

Compartilhe

O MGM prepara em força a entrada no Japão que pode vir a liberar o jogo ainda este ano se o projeto de lei do Partido Liberal for aprovado.

“Temos desenvolvido algumas ideias de como o produto possa parecer em grande escala, o que inclui alguns projetos de arquitetura em algumas localizações específicas”, divulgou ontem Edward Bowers, vice-presidente do mercado global de jogo do MGM, durante a conferência sobre o Japão integrada no “Global Gaming Expo Ásia”, que se realiza no Venetian.

De acordo com o executivo, o grupo já definiu até o conceito dos resorts que quer abrir no Japão, local onde o MGM está há vários meses analisando oportunidades de negócio.

“Procuramos algo que reflita a cultura japonesa aos olhos dos consumidores e turistas locais que vêm ao resort e, mais importante, queremos que represente a cultura japonesa para os turistas estrangeiros”, acrescentou Bowers. O representante disse ainda que o grupo já sondou empresas japonesas para a constituição de uma joint-venture e em Fevereiro anunciou que poderia investir 78 mil milhões de patacas no país.

A pressa dos operadores de jogo em fazer passar o projeto de lei no parlamento japonês, que entra em férias legislativas no final de junho, justifica-se com um evento: os Jogos Olímpicos de 2020, em Tóquio.

Os números esperados pelo MGM explicam o seu interesse no mercado. Bowers estima que o Japão possa originar receitas anuais de 157 mil milhões de patacas, o que o colocará entre o mercado de Singapura (47 mil milhões, em 2013) e de Macau (361 milhões).

Já de acordo com Takashi Kiso, presidente executivo do Instituto Internacional dos Casinos e um dos oradores na mesma conferência, o Japão não será, no entanto, uma ameaça para Macau.

“Nós [japoneses] estamos muito focados no Extremo Oriente. O mercado de Macau está direcionado para o Sudeste Asiático sendo que a grande concorrência vem de Singapura e das Filipinas. Nós vamos competir com a Coreia do Sul, Taiwan e a Rússia Oriental – esse é o nosso mercado”, defendeu ao Ponto Final o responsável por esta instituição que faz pressão lobista junto do parlamento japonês, à margem da conferência.

O mesmo especialista defendeu na sua intervenção que as estimativas quanto ao valor do mercado japonês podem ser demasiado optimistas. É que Takashi Kiso alerta para a importância do mercado de pachinko, uma mistura de slot machine e pinball que não é considerado um jogo de azar, pois as fichas não podem ser trocadas por dinheiro, mas por gêneros como cigarros ou comida.

Segundo Kiso, o Japão já tem por isso um mercado de jogo, ainda que ilegal, e que vale 313 mil milhões de patacas. (Ponto Final – Macau – P. S. A.)