Home Cassino Pandemia gera um prejuízo líquido de quase US$ 1 bilhão no segundo trimestre para Las Vegas Sands
< Voltar

Pandemia gera um prejuízo líquido de quase US$ 1 bilhão no segundo trimestre para Las Vegas Sands

24/07/2020

Compartilhe

Durante o período de três meses, a receita da Las Vegas Sands caiu 97,1%, para US$ 98 milhões

O impacto financeiro da pandemia do COVID-19 em Macau, Las Vegas e Cingapura dizimou os resultados do segundo trimestre em Las Vegas Sands, levando a empresa a uma perda líquida de quase US$ 1 bilhão durante o período de três meses encerrado em 30 de junho.

Os executivos da empresa, durante uma teleconferência nesta quarta-feira (22), disseram que os fatores em cada mercado ditarão o prognóstico de recuperação.

“Estamos em um mundo de dor”, disse o presidente da Las Vegas Sands, Rob Goldstein, sobre os negócios da empresa em Las Vegas, que depende muito do preenchimento do enorme Sands Expo e Convention Center.

As propriedades Venetian e Palazzo reabriram em 4 de junho, após um fechamento de 78 dias em resposta à pandemia de coronavírus. Mas a recuperação foi lenta, e a empresa agora planeja fechar o hotel do Palazzo para os clientes a partir desta quinta-feira (23).

“Não há como retornar a Las Vegas, a menos que retornem negócios de convenções, grupos e banquetes e, no momento, não há indicação de que volte”, disse Goldstein.

Ele acrescentou que o aumento de voos de companhias aéreas para Las Vegas, especialmente de destinos internacionais, ajudaria a impulsionar o retorno dos negócios do grupo.

O presidente e CEO da Las Vegas Sands, Sheldon Adelson, tentou pintar uma imagem otimista em suas observações preparadas no início da teleconferência, concentrando-se fortemente nos resorts da empresa em Macau e Cingapura, que representam mais de 80% das receitas trimestrais da empresa.

Ele disse que a recuperação de Las Vegas levará mais tempo, mas expressou confiança de que “Las Vegas continuará sendo o maior destino de turismo de negócios e lazer dos Estados Unidos”.

O Las Vegas Sands está gastando US$ 5,5 bilhões para atualizar resorts nos dois mercados estrangeiros, US$ 2,2 bilhões para desenvolver o de Macau e US$ 3,3 bilhões em novos empreendimentos no Marina Bay Sands em Cingapura, incluindo um hotel com mil quartos e uma arena com 15 mil lugares, lojas de varejo e espaço adicional para convenções.

Em Cingapura, espera-se que Marina Bay Sands se beneficie de uma redução nas restrições de viagens internacionais e um aumento resultante de voos para o país insular.

“Meus 70 anos de experiência nos negócios são a base do meu otimismo desenfreado de que as pessoas viajam novamente, compram novamente e se reúnem novamente para desfrutar de entretenimento e interação social, trocar ideias e conduzir negócios”, disse Adelson, 86, que é atualmente ocupa a 17ª posição no ranking da Forbes 400, com um patrimônio líquido de US$ 30,8 bilhões.

“Nosso otimismo sobre uma eventual recuperação, juntamente com nossa força financeira, nos permite continuar a execução de nossos programas de investimento de capital em Macau e Cingapura”, disse Adelson. “Acreditamos que esses investimentos fortalecerão nossa posição de liderança em cada um desses mercados e fornecerão uma plataforma maior para o crescimento futuro, com o retorno dos gastos com viagens e turismo”.

Resultados do segundo trimestre

Durante o período de três meses, a receita da Las Vegas Sands caiu 97,1%, para US$ 98 milhões. Há um ano, a empresa registrou receita total de US$ 3,334 bilhões no segundo trimestre.

Do total, as receitas de Macau foram de apenas US$ 41 milhões, contra US$ 2,197 bilhões no ano anterior, uma queda de 98,1%. Em Cingapura, as receitas de Marina Bay Sands caíram 96,7%, para US$ 23 milhões. As propriedades da empresa em Las Vegas viram a receita cair 92,3%, para US$ 36 milhões.

Macau, onde os cassinos fecharam por 15 dias em fevereiro, continua sofrendo restrições de viagem da China continental e de outras regiões. O Marina Bay Sands foi fechado por boa parte do segundo trimestre. Quanto a Las Vegas, os cassinos foram abertos por apenas 26 dias em junho.

O prejuízo líquido do Las Vegas Sands no segundo trimestre foi de US$ 985 milhões, comparado ao lucro líquido de US$ 1,11 bilhão no segundo trimestre de 2019. O fluxo de caixa foi uma perda líquida de US$ 547 milhões, em comparação com um fluxo de caixa positivo de US$ 1,27 bilhão no ano anterior. O Las Vegas Sands perdeu US$ 1,07 por ação no trimestre.

Enquanto a empresa possui US$ 13,8 bilhões em dívidas de longo prazo, o Las Vegas Sands tem acesso a quase US$ 4 bilhões de sua linha de empréstimos e um saldo de caixa de US$ 3,02 bilhões.

Volte

A empresa foi a primeira operadora de cassino a reportar resultados do segundo trimestre, e os números não são um bom presságio para sua grande competição em Las Vegas e Macau – Wynn Resorts e MGM Resorts International.

Goldstein estava otimista de que os negócios retornariam rapidamente a Macau. Desde a semana passada, alguns viajantes que retornam de Macau à província de Guangdong não estão mais sujeitos a quarentena.

“As pessoas na China se sentem confortáveis com máscaras porque são uma parte normal da vida. Macau é um lugar maravilhoso para passar férias e vai voltar rapidamente”, disse Goldstein.

As ações do Las Vegas Sands fecharam em US$ 46,84 na Bolsa de Nova York, queda de US$ 1,16, ou 2,42%. (CDC Gaming Reports – Howard Stutz)