Home Lotérica Pane no sistema/má gestão tecnológica: SINCOESP cobra providências
< Voltar

Pane no sistema/má gestão tecnológica: SINCOESP cobra providências

11/07/2012

Compartilhe

O SINCOESP registrou no mês de maio o maior número de reclamações e críticas dos últimos anos com relação às paralisações do sistema.

As reclamações chegam de todas as regiões do Estado ao Sindicato. Seja no Interior, ou na Capital, não importa onde está instalada a Lotérica, a pane do sistema da Rede está atingindo a todos.

A Caixa Econômica Federal adotou táticas conhecidas da categoria em situações alternadas: o silêncio e, o pano quente. Questionada pelo SINCOESP, sobre o que está ocorrendo e, qual medida está sendo adotada para resolver o problema, ou, o que deve ser feito pela categoria. A resposta demora a surgir. Ou, como muitas vezes acontece, surge com palavras colocadas estrategicamente para demonstrar que algo esta sendo feito, mas na verdade não está.

Ao Lotérico, resta fechar a porta. Os clientes não têm o serviço que precisam, os lotéricos ficam com o prejuízo, por não realizar a cobertura de sua conta corrente, arcando também com encargos e juros.

Todos são desrespeitados, o cliente que não tem acesso à instituição financeira e, o Lotérico, por não receber da permitente, a estrutura básica para realizar o seu serviço.

O sistema de Tecnologia da Informação da CAIXA parece ser o gargalo, para os sinais de exaustão que o sistema de Loterias e Serviços da Caixa tem apresentado, como apenas seis anos de funcionamento. Já que a Rede enfrentou uma das piores crises de gestão empresarial, quando a permitente decidiu internalizar o sistema de gestão da rede em 2006.

O processo de internalização da Rede Lotérica está cobrando a conta, da Caixa e conseqüentemente dos Lotéricos. Mas esta conta chegou rápido demais. Observa o presidente do SINCOESP, Jodismar Amaro.

O sistema causa

– prejuízo financeiro ao lotérico;

– insegurança na prestação de serviço ao cliente;

– crise de imagem à Rede Lotérica, que sempre teve 80% de aprovação da população;

– incertezas da realização dos sorteios das loterias, do cronograma.

O sistema prometia

– serviços ao cliente com maior eficiência;

– terminais que fariam o recebimento de jogos e contas;

– rapidez, modernidade, contribuindo para a eficiência das lotéricas no atendimento ao cliente;

– estimativa de economia média de tempo de quatro segundos por operação, ganhando agilidade no atendimento ao cliente, redução de filas e maior produtividade do sistema em sua totalidade, com benefícios econômicos para a Rede Lotérica e para a CAIXA;

– novos terminais com o dobro da capacidade para realizar transações;

– extinção de filas diferenciadas nas unidades lotéricas para jogos e serviços financeiros. (Jornal do Sincoesp – Edição junho/2012)