Home Apostas Para o apostador: Suprema Corte permite que os americanos percam dinheiro de uma nova forma
< Voltar

,

Para o apostador: Suprema Corte permite que os americanos percam dinheiro de uma nova forma

21/05/2018

Compartilhe

Os americanos amam jogar. Quase dois terços dos adultos fazem algum tipo de aposta a cada ano e cerca de um décimo visitam Las Vegas para tentar a sorte. Alguns até apostam se a Suprema Corte derrubaria a Lei de Proteção ao Esporte Profissional e Amador (PASPA) de 1992, que proíbe a maioria dos jogos esportivos em outros estados além de Nevada. Em 14 de maio, os juízes decidiram a favor de Nova Jersey, o qual violou o ato em 2014 ao legalizar tais apostas. Chris Christie, ex-governador, argumentou que a PASPA representava uma violação federal inconstitucional.

O novo precedente pode ter amplas implicações, possivelmente dificultando que o governo federal imponha outras leis, como aquelas que abrangem drogas e imigração. Por enquanto, ele acaba com a restrição da América como o único país rico que impede a maioria dos fãs de esportes de apostar. Agora cada estado decidirá se permite isso. Nova Jersey fará isso rapidamente. Estados piedosos como o Utah talvez nunca o façam. Chris Grove, da Eilers, e Krejcik Gaming, uma empresa de pesquisa, prevê que 32 estados terão alguma forma de apostas regulamentadas até 2023, lidando com cerca de US$ 90 bilhões de apostas por ano – em comparação com US$ 4,9 bilhões em Nevada hoje.

O Congresso introduziu a lei a pedido de grandes ligas esportivas, que temiam que o jogo estimulasse a manipulação de resultados. Essa ameaça pairou sobre competições americanas desde 1919, quando o Chicago White Sox deliberadamente perdeu a World Series do beisebol. Mas os tempos mudaram. Os altos salários dos atletas fizeram com que os subornos fossem menos atraentes. Os fãs podem fazer apostas em casas de apostas no exterior e apostar em seus jogadores favoritos em ligas de eFantasy, que receberam uma isenção legal em 2006 e pagam cerca de US$ 3 bilhões em taxas por ano. Uma pesquisa recente mostrou que apenas um em cada três americanos se opõe à legalização das apostas esportivas.

Inicialmente, as principais ligas americanas tentaram impedir o plano do Sr. Christie no tribunal. Mas eles perceberam que as recompensas do jogo superam seus riscos. A Associação Nacional de Basquetebol (NBA) mudou a sua posição em 2014. Junto com a Major League Baseball, está avidamente a fazer lobby por uma “taxa de integridade” de 1% nas apostas legais. A National Football League (NFL) e a National Hockey League (NHL) provavelmente mudarão de opinião a tempo.

As ligas não são as únicas vencedoras, observa Darren Heitner, advogado esportivo. Empresas de e-Fantasy tem preparado produtos de apostas completos. As ações de casas de apostas estrangeiras, como a Paddy Power Betfair e a William Hill, subiram. Os apostadores podem mostrar mais interesse em jogos menos glamourosos, o que impulsionaria as classificações para o esporte televisionado. As empresas de apostas provavelmente anunciarão na televisão e tentarão patrocinar equipes. Os estados poderiam ganhar receita extra taxando as casas de apostas – mas devem ser cautelosos. Se definirem taxas muito altas, os apostadores provavelmente serão empurrados para o mercado negro. Os americanos atualmente apostam cerca de US$ 50 a 60 bilhões por ano usando serviços ilegais, disse o Sr. Grove, embora a grande maioria agora use sites no exterior, em vez de obscuros agenciadores de apostas na vizinha.

É improvável que Nevada sofra muito. Apenas 2,5% de seus ganhos vem de apostas esportivas. E as grandes ligas esportivas da América estão cada vez mais dispostas a transferir as franquias para Las Vegas, que faz parte de uma metrópole de mais de 2 milhões de habitantes. Eles haviam evitado isso por anos, citando as tentações corruptas do jogo esportivo. O Golden Knights da NHL, a primeira grande equipe da cidade, está desfrutando de uma temporada de estreia notável, tendo alcançado as semifinais dos Playoffs. Os Raiders, uma franquia da NFL, chegarão em 2020. A NBA pode ser a próxima. Sin City está perdendo o monopólio de um dos vícios da América, mas ganhando uma parte de seus passatempos favoritos.

(Este artigo foi veiculado na editoria ‘Estados Unidos da edição impressa do The Economist sob o título “Para o apostador” – Londres)