Home Destaque Petrópolis tem a primeira lotérica do país com tradução para surdos
< Voltar

,

Petrópolis tem a primeira lotérica do país com tradução para surdos

24/12/2019

Compartilhe

A Loteria Joãozinho, mantendo a tradição de ser pioneira, desde quinta-feira (dia 19), é a primeira lotérica do país a oferecer o serviço de tradução simultânea em Língua Brasileira de Sinais (Libras) aos seus clientes surdos, numa parceria com a  ICOM, central de libras da Associação Amigos Metroviários dos Excepcionais. “Este é um sonho que se torna realidade. Há muito tempo queria oferecer este serviço, mas sempre encontrei apenas avatares e acredito que o relacionamento humano é a melhor forma. Por isso, pesquisei durante algum tempo até encontrar o serviço ICOM e estou satisfeita”, afirmou Fátima Guimarães Sorsonas, proprietária da Lotérica.

Para ela, ser a primeira lotérica a ter o serviço de Libras para os surdos é uma vitória, mas seu desejo é que estimule outras unidades para que possam instalar em suas lojas o serviço simultâneo de Libras. Segundo o Censo, são aproximadamente 15 mil surdos e deficientes auditivos na cidade. “É importante destacar que o serviço instalado é para todas as pessoas com deficiência auditiva, pois além da conversa em libras, a conversa também é por texto para ajudar a todos”, afirmou a proprietária da casa lotérica.

A inauguração do sistema aconteceu na tarde de quinta-feira, no auditório da Câmara de Diretores Lojistas (CDL), com a presença de várias personalidades da cidade e representantes da Caixa Econômica Federal (CEF) que estavam satisfeitos com o serviço oferecido. O Instituto Alliance também participou com o Coral de Surdos e Cegos. Os clientes surdos e com alguma deficiência auditiva da Loteria Joãozinho, além dos jogos, vão agora poder fazer qualquer tipo de transação bancária com auxílio do sistema ICOM.

Conversa em Libras com intérpretes ao vivo

O serviço da central de Libras foi representado por Andrea Venancino, coordenadora da Icom, e por Giovane Barelli, responsável pela implantação de novos parceiros. Durante a inauguração, os dois falaram sobre o serviço oferecido e a importância dele para comunidade surda e para as pessoas com alguma deficiência auditiva. Para Andrea Venancino, implantar o serviço de tradução simultânea de Libras é mais do que um serviço profissional “é algo muito gratificante e difícil de explicar”.

A afirmação de Andrea Venancino está ligada ao fato de ser filha de pais surdos e neta de avós surdos, por isso, para ela, a implantação do serviço tornando os locais acessíveis é algo que a encanta e “vai muito além da questão profissional”. Sobre a Loteria Joãozinho oferecer o serviço, Andrea Venancino disse que o empenho de Fátima Guimarães e sua dedicação “foi estimulante e também porque meu pai sempre gostou de jogar”, comentou, lembrando das dificuldades que enfrentou e hoje os surdos em Petrópolis não vão viver as mesmas dificuldades.

De acordo com os representantes da ICOM, quando uma pessoa surda chegar na Loteria Joãozinho, vai acessar o painel de conversa e um intérprete de Libras vai iniciar o contato, após as apresentações iniciais, o intérprete pergunta o que a pessoa deseja. A partir deste contato, o intérprete houve o surdo e vai passando as informações e questionamentos para o funcionário da Lotérica que responde e o intérprete passa para o surdo. A conversa somente termina quando a pessoa surda se diz satisfeita e realizou tudo que desejava.

O serviço da central de Libras, segundo Giovane Barelli, funciona 24h, durante os sete dias da semana. Atualmente o serviço está implantado em várias empresas, em órgãos públicos e instituições. Um dos serviços que vem sendo ampliado é da Prefeitura de São Paulo. De acordo com ele, a Prefeitura instalou o serviço no celular das pessoas surdas, por meio da internet compartilhada, permitindo que ele possa ser atendido em qualquer repartição pública.