Home Cassino Portugueses apostaram mais de 3 bilhões de euros no jogo online em 2019
< Voltar

Portugueses apostaram mais de 3 bilhões de euros no jogo online em 2019

05/02/2020

Compartilhe

Apostas desportivas tiveram o melhor trimestre de sempre no final de 2019

Os portugueses apostaram 3,415 bilhões de euros em apostas esportivas e nos cassinos online durante o ano de 2019, de acordo com o relatório do Serviço de Regulação e Inspeção de Jogos (SRIJ) referente ao quarto trimestre do ano passado, em que se faz comparativo com os outros trimestres do ano. Este é o valor movimentado nas plataformas de jogo das 20 licenças atribuídas por Portugal, que são agora mais três do que o verificado em 2018. Por dia são jogados mais de nove milhões de euros.

Em termos de receita bruta, o valor que os portugueses depositaram nestas casas em 2019 foi de 215,4 milhões de euros. Estes últimos três meses de 2019 representam o valor mais alto registrado em receitas pelas casas licenciadas, atingindo 65,4 milhões de euros, mais 22,4 milhões do que no trimestre do ano anterior, e é o valor mais alto num trimestre desde que o mercado foi regulado. Em 2018, o valor arrecadado foi de 149,1 milhões de euros, enquanto em 2017 tinha sido 122,5 milhões de euros. Mas nestes anos havia menos casas licenciadas a operar – em 2017 existiam só 11 licenças e em 2018 eram 15.

As apostas esportivas registraram um forte crescimento no último trimestre com um valor de 33,4 milhões de receita bruta, contra os 32 milhões dos jogos online, em que se incluem as slots machines, a banca franca, a roleta e o blackjack. Assim, no total de 65,4 milhões de euros gerados, as receitas das apostas desportivas representaram neste trimestre 51,1% do mercado, enquanto os chamados jogos de fortuna ou azar ficaram com 48,9% do mercado.

No acumulado do ano, contudo, os jogos de cassino obtiveram 108,4 milhões contra os 107 milhões de receita das apostas esportivas, com o total conjugado a ser 215,4 milhões de euros de receita bruta.

Com este dinheiro os jogadores portugueses movimentaram então os mais de 3 mil milhões de euros em apostas e jogos. Foram 524,8 milhões de euros que foram sendo jogados em apostas desportivas, com 2926 milhões a serem movimentados nos casinos online.

De acordo com o relatório do SRIJ, há 12 entidades autorizadas a exercer a atividade de exploração de jogos e apostas online em Portugal, mais três face ao mesmo período de 2018. Estas entidades são detentoras de 20 licenças – 9 licenças para apostas esportivas e 11 para jogos de fortuna ou azar.

Como a receita bruta disparou, o valor total do Imposto Especial de Jogo Online também registrou valores mais elevados no 4º trimestre de 2019, com o Estado a arrecadar 35,8 milhões de euros, valor superior em cerca de 14,4 milhões de euros (67,4%) ao apurado para o mesmo período de 2018.

A terceira vertente de jogo, o poker online, não acompanha as subidas registradas. O somatório da quota neste mercado do poker – seja em modo de torneio e ou não bancado -, é inferior a 10%, sendo 9,36% do total dos jogos online licenciados. A receita também baixou, fixando-se em 11,9 milhões de euros no total de 2019.

Primeira Liga Inglesa é a mais apostada

Em termos de modalidades mais apostada, o futebol é dominador com 74,7 das apostas efetuadas, seguido pelo basquete (13,6%) e tênis (6,32%). Nos jogos de cassino online, as slots machines concentram 68,9% das apostas, seguidas pela roleta francesa (13,59%) e pelo blackjack/21 (8,1%).

Nas apostas esportivas de futebol a preferência vai para a Primeira Liga inglesa que recolhe 10,2% do volume de apostas, seguido pela Liga dos Campeões (9,2%) e no terceiro lugar é que surge a Primeira Liga portuguesa (8,3%)

Há sempre novos jogadores a aderir às plataformas online. No 4º trimestre de 2019, e “no conjunto das 12 entidades exploradoras, apuraram-se 163,9 mil novos registros de jogadores, registrando-se um acréscimo de 60,5 mil face ao registrado em igual período do ano anterior (103,5 mil novos registros de jogadores)”, refere o SRIJ. Nos novos jogadores, 35% incluem-se na faixa etária dos 18 aos 24 anos.

Há um número crescente de jogadores que jogam nas duas vertentes, apostas e nos cassinos. “Durante o 4º trimestre de 2019, observou-se a prática de jogo, ou seja, a realização de pelo menos uma aposta em jogos de fortuna ou azar ou em apostas esportivas à cota online, em cerca de 390,4 mil jogadores.”

Combate ao jogo ilegal

Entre outubro e dezembro de 2019, o SRIJ notificou 30 sites ilegais para encerramento, e notificou os ISP”s nacionais a bloquearem 15 sites.

O SRIJ dá conta dos esforços realizados para combater o jogo ilegal. “Desde a entrada em vigor do RJO, em 29 de junho de 2015, e até 31 de dezembro de 2019, foram enviadas 466 notificações a operadores ilegais de jogo online para encerrarem a sua atividade em Portugal (30 durante o 4º trimestre de 2019) e procedeu-se à notificação aos ISP´s para o bloqueio de 386 sítios na Internet de operadores ilegais (15 no trimestre em análise) que, não obstante terem sido notificados pelo SRIJ para cessarem a atividade, continuaram a disponibilizar em Portugal jogos e apostas online”, refere este relatório, onde também se lê que “no total foram efetuadas 13 participações junto do Ministério Público para efeitos de instauração dos correspondentes processos-crime.”

Casinos viram as receitas baixar 1% em 2019 e tradicionais perdem

O SRIJ também divulgou os números do quatro trimestre relativo aos casinos tradicionais. “No seu conjunto, a atividade do jogo praticado em cassinos e sala de máquinas em Portugal gerou, no quarto trimestre de 2019, cerca de 80,6 milhões de euros de receita bruta, o que representa uma quebra de 6,4% face ao trimestre anterior, e de 0,8% face ao período homólogo”, indica o documento.

No total do ano, as quebras não foram tão acentuadas. “Numa perspectiva anual, a receita bruta dos jogos praticados em cassinos e sala de máquinas em 2019, sofreu uma quebra de 1% comparativamente ao ano anterior, resultante da quebra de receita em todos os trimestres, com exceção do segundo, que registrou um aumento de 0,5%.” (Diário de Notícias – David Mandim)