Home Cassino Quem diria? Coréia do Norte terá voo para Macau
< Voltar

,

Quem diria? Coréia do Norte terá voo para Macau

26/07/2019

Compartilhe

Macau tornou-se um dos destinos mais populares da Ásia graças aos maciços investimentos na indústria dos jogos de azar

A companhia aérea de bandeira norte-coreana Air Koryo começará a voar entre Pyongyang e Macau, enclave do jogo na China, a partir do mês de agosto. Assim, Macau se tornará o quarto destino internacional da empresa estatal de um dos países mais fechados do mundo.

Segundo o calendário da Air Koryo, atualmente ela voa para Beijing e Shenyang, na China, e Vladivostok, na Rússia. Todas as três cidades são muito mais próximas da realidade da Coreia do Norte do que que Macau, que está localizada perto de Hong Kong, no sul da China.

O voo será realizado duas vezes por semana, começando no dia 2 de agosto, de acordo com a autoridade de Aviação Civil de Macau. O modelo do avião ainda não foi confirmado, mas a coreana não tem muitas opções, já que sua frota é composta de 16 variados modelos de aviões ucranianos e russos, a maioria bastante antigos e alguns nem voam mais por falta de manutenção.

Macau tornou-se um dos destinos mais populares da Ásia graças aos maciços investimentos na indústria dos jogos de azar. A cidade, como a vizinha Hong Kong, é uma região administrativa especial e o único lugar na China onde os cassinos são legais.

A nova rota vai ligar o destino de jogo mais popular do mundo com um dos países mais pobres do mundo por produto interno bruto (PIB). É possível que a rota seja destinada a atender a um número crescente de jovens ricos das elites da Coreia do Norte, que tem prosperado sob a liderança do Kim Jong Un, num movimento conhecido externamente como “Pyonghattan”, em alusão à Ilha de Manhattan, em Nova Iorque. Mas não se engane, eles são a minoria da minoria do país.

A nova rota também causa preocupação às autoridades americanas de monitoramento de sanções, já que Pyongyang, anteriormente, fora acusada de usar a cidade como um hub para a sua atividade ilícita no exterior.

O caso mais famoso aconteceu em 2006, quando os Estados Unidos acusaram o regime de Kim Jong Il de estar usando o banco baseado em Macau, Banco Delta Asia, para lavar milhões de dólares e ajudar o tráfego de notas de dólares falsas. Washington sancionou o Banco Delta Ásia e autoridades de Macau congelaram mais de US$ 20 milhões em contas ligadas à Coreia do Norte. (Aeroin – Carlos Ferreira)