Home Destaque Sortuda em loteria de US$ 560 milhões quer sigilo e perde US$ 14 mil ao dia
< Voltar

,

Sortuda em loteria de US$ 560 milhões quer sigilo e perde US$ 14 mil ao dia

21/02/2018

Compartilhe

Vencedora recebe propostas de solução do mundo inteiro por ‘pequena’ recompensa

A sortuda vencedora de um prêmio de US$ 560 milhões enfrenta um difícil dilema em New Hampshire, nos EUA. Para recebê-lo, deverá tornar público o seu nome, como ditam as regras da loteria americana Powerball. Mas ela não quer que o mundo saiba da sua fortuna, a ponto de recorrer à Justiça para continuar anônima e, ainda assim, levar o dinheiro. A cada dia que passa, no entanto, ela perde US$ 14 mil.

Desde que o resultado da loteria foi divulgado, a vencedora já perdeu quase US$ 500 mil por conta da briga na Justiça. Ela alega que o seu direito à privacidade deve ser preservado, uma vez que a divulgação do seu nome poderia colocá-la em risco de roubos ou outras ações criminosas.

Por outro lado, os responsáveis pela loteria afirmam que a integridade do jogo depende da identificação dos vencedores, para evitar fraudes. Os vencedores do prêmio anual sempre estampam os jornais enquanto seguram seus enormes cheques na frente dos repórteres, o que é uma importante propaganda para incentivar outros apostadores.

No tribunal, a defesa da vencedora sugere uma solução: assinar o cheque da loteria com o nome de um trust anônimo, que manteria a sua verdadeira identidade em sigilo. Enquanto isso, as ofertas de outras propostas não param de chegar aos seus advogados vindas de todo o mundo. Dezenas de pessoas já se ofereceram para mudar os seus nomes para o mesmo da vencedora, para recolher o dinheiro para ela e, em troca, receber uma recompensa de pelo menos US$ 1 milhão.

Uma moradora de rua da Carolina do Norte, inclusive, já ofereceu receber o bilhete premiado em troca de uma casa com seis quartos, um carro usado e uma pequena poupança para cada um dos seus cinco filhos, segundo o “New York Times”.

Não se sabe se a vencedora contou do prêmio para alguém, exceto os seus representantes legais. Um dos seus advogados relatou à imprensa tê-la aconselhado a não se identificar nem mesmo para os seus familiares como a vencedora: “Se você gosta da sua família e dos seus amigos, não conte a ninguém”, ele teria dito à cliente. (O Globo)