Caixa mira IPO bilionário de seguros e loterias dependem de questão legal

Compartilhar
“Temos cinco operações possíveis, quatro dependem do management. A outra, o de loterias, tem uma questão legal”, explicou Pedro Guimarães

A Caixa Econômica Federal pretende listar sua holding de seguros, a Caixa Seguridade, na Bolsa de Valores entre março e o início de abril, apurou o Estadão/Broadcast com duas fontes na condição de anonimato. A oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) será no Brasil e foi retomada oficialmente na última quinta-feira (27), após ter sido engavetada no ano passado por conta da pandemia.

A operação marcará a estreia da Caixa com algum negócio listado em Bolsa. Os valores ainda não foram fechados. A ideia do banco público, conforme fontes, é vender até 30% da companhia na terceira tentativa que fará de listá-la na bolsa. Às vésperas de o IPO ser congelado, a operação era estimada em R$ 15 bilhões, e o objetivo do banco público era avaliá-la entre R$ 50 bilhões e R$ 60 bilhões.

Segundo Guimarães, com as parcerias fechadas e prestes a serem iniciadas, a Caixa Seguridade está pronta para retomar o IPO, engavetado por conta da pandemia. “Agora, não existe mais dúvidas”, acrescentou. Além da Caixa Seguridade, o banco público tem outros quatro IPOs no horizonte. São eles: o banco digital, o negócio de cartões, a área de gestão de recursos e de loterias. “Temos cinco operações possíveis, quatro dependem do management. A outra, o de loterias, tem uma questão legal”, explicou Guimarães. (MSN Notícias)

Comentar com o Facebook