Contrária a legalização dos jogos, Simone Tebet é candidata a presidência do Senado

Compartilhar
O anúncio da candidatura da senador Simone Tebet foi feito nesta tarde, após reunião da bancada emedebista do Senado, em Brasília (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)

A bancada do MDB no Senado confirmou nesta terça-feira (12) a candidatura de Simone Tebet (MDB-MS) à presidência da Casa, em um movimento antecipado depois de a sigla ver o crescimento de seu adversário direto Rodrigo Pacheco (DEM-MG) na disputa. Inicialmente, seria apenas um evento para a filiação de dois senadores: Veneziano Vital do Rêgo (PB) e Rose de Freitas (ES). No entanto, a bancada decidiu antecipar sua reunião para a definição rápida do nome.

Simone entra na disputa após Pacheco conquistar o apoio de sete partidos em cerca de uma semana. O candidato do DEM já formou alianças com o PSD, PT, Republicanos, Pros, PSC e PL. Hoje, é esperado que o PP também anuncie apoio ao democrata após reunião da bancada. Nos próximos dias, o PDT também deve seguir o mesmo caminho. Somadas, as siglas têm 41 integrantes, que são os votos necessários para vencer a eleição. No entanto, a votação é secreta e podem ocorrer traições.

Senadora é contrária a legalização dos jogos

Em várias oportunidades, a senadora Simone Tebet (MDB-MS) manifestou-se contrária a legalização dos jogos.

Durante a votação do PLS 186/14 no Senado, a senadora sul-mato-grossense afirmou que ser radicalmente contra a legalização dos jogos de azar.

“Se nós não conseguimos nem fiscalizar e coibir a sonegação, como vamos dar conta de entrar neste mundo do jogo, que hoje não paga impostos e não vai continuar não pagando? Sou radicalmente contra esse projeto polêmico, que vai abrir a porta para a sonegação, evasão de divisas e corrupção política”, disse.

A senadora também defendeu naquela oportunidade que esse debate envolva a sociedade civil, a igreja, as associações de pessoas viciadas em jogos, a Receita Federal e demais órgãos de fiscalização. A senadora acredita que o alto custo social (como a desestrutura familiar e o turismo desqualificado), que pode ocorrer com a legalização do jogo não será compensado por um suposto aumento de arrecadação.

Comentar com o Facebook