Operadora de jogo de Macau SJM com prejuízo de 342 milhões de euros no segundo trimestre

Cassino I 02.08.22

Por: Elaine Silva

Compartilhe:
Licenças de cassino de Macau serão limitadas a seis com duração de 10 anos
A economia de Macau, fortemente dependente dos cassinos e do turismo chinês, sofreu uma redução significativa de visitantes, uma situação agravada com um surto de covid-19

A Sociedade de Jogos de Macau (SJM) teve um prejuízo de 2,76 bilhões de dólares de Hong Kong (342,4 milhões de euros) no segundo trimestre do ano, anunciou a empresa.

Em comparação com o mesmo período de 2021, a operadora de cassinos de Macau quase duplicou as perdas entre abril e junho, trimestre no qual as receitas do jogo na cidade caíram dois terços.

A economia de Macau, fortemente dependente dos cassinos e do turismo chinês, sofreu uma redução significativa de visitantes, uma situação agravada com um surto de covid-19, detectado em 18 de junho, que levou mesmo as autoridades a decretarem um confinamento parcial, que determinou o encerramento dos casinos durante quase duas semanas.

A SJM, fundada pelo já falecido magnata do jogo Stanley Ho e que opera 23 dos 42 cassinos em Macau, já contabilizara um prejuízo de 1,28 bilhões de dólares de Hong Kong (155 milhões de euros) no primeiro trimestre do ano, 4,1 milhões de dólares de Hong Kong (500 milhões de euros) em 2021 e de três bilhões de dólares de Hong Kong (360 milhões de euros) em 2020.

Balanços que contrastam com os ganhos registrados no ano pré-pandêmico de 2019, quando a operadora apresentou lucros de 3,2 bilhões de dólares de Hong Kong (390 milhões de euros).

As receitas do jogo em Macau perderam em julho 95,3%% em termos anuais, fixando-se em 398 milhões de patacas (48 milhões de euros), o pior resultado desde 2003.

As receitas arrecadadas pelos cassinos em julho caíram para o valor mais baixo desde que a Direção dos Serviços de Estatísticas e Censos começou a recolher dados mensais, em janeiro de 2003, numa altura em que a cidade tinha apenas um operador de jogo.

De acordo com os números da Direção de Inspeção e Coordenação de Jogos (DICJ), nos primeiros sete meses de 2022, os cassinos arrecadaram 26,7 bilhões de patacas (3,2 bilhões de euros), menos 53,6% do que em igual período do ano passado.

Capital mundial do jogo, Macau é o único local na China onde o jogo em casino é legal.

Operam no território três concessionárias: Sociedade de Jogos de Macau, Galaxy, Wynn, e três subconcessionárias, MGM, Venetian e Melco.

As empresas têm acumulado desde 2020 prejuízos sem precedentes e o Governo tem sido obrigado a recorrer à reserva extraordinária para responder à crise, até porque cerca de 80% das receitas governamentais provêm dos impostos sobre o jogo.

Também a Sands China, empresa listada que detém a Venetian, anunciou um prejuízo de 422 milhões de dólares (414 milhões de euros) no segundo trimestre do ano, mais do dobro das perdas registradas no mesmo período de 2021.

O Governo de Macau lançou na sexta-feira um concurso público para a atribuição de seis licenças de exploração de jogos em casino, com um prazo máximo de dez anos.

Cada um dos concorrentes terá de pagar uma caução de pelo menos 10 milhões de patacas (1,22 milhões de euros). (RTP Notícias)

Comentar com o Facebook
error: O conteúdo está protegido.