Polícia apreende dinheiro e carro de luxo com influencer suspeito de praticar jogos ilegais nas redes sociais

Blog do Editor I 20.04.24

Por: Magno José

Compartilhe:
Polícia apreende dinheiro e carro de luxo com influencer suspeito de praticar jogos ilegais nas redes sociais
A Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Avaré apreendeu um automóvel avaliado em R$ 180 mil e R$ 20 mil em dinheiro (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Um jovem de 24 anos é investigado pela Polícia Civil de Avaré (SP) suspeito de praticar jogos ilegais nas redes sociais. Nesta quinta-feira (18), a Delegacia de Investigações Gerais (DIG) cumpriu mandado de busca na casa do rapaz e apreendeu um carro de luxo avaliado em R$ 180 mil, R$ 20 mil em dinheiro e celulares de última geração.

Segundo a polícia, a ação policial foi conduzida em resposta a denúncias sobre atividades suspeitas relacionadas a jogos ilegais e rifas online. A ação foi resultado de trabalho da Polícia Civil, após receber informações por meio do Disque Denúncia.
Durante a operação, a Delegacia de Investigações Gerais (DIG) cumpriu um mandado de busca e apreensão onde foram encontrados diversos bens de alto valor, incluindo um automóvel avaliado em R$ 180 mil, motocicletas, além de aproximadamente R$ 20 mil em dinheiro e celulares de alto padrão.

O suspeito, identificado como um influenciador ativo nas redes sociais, mas que não teve o nome divulgado pela polícia, foi levado para prestar esclarecimentos na sede da DIG.

Segundo a polícia, ele afirmou que os bens encontrados em sua residência fazem parte dos prêmios que são ofertados aos jogadores e que o dinheiro é uma espécie de comissão que recebe dos administradores das plataformas dos jogos, que seriam chineses. Não havia, segundo a DIG, elementos de prova suficientes para a prisão em flagrante do suspeito, por isso ele foi liberado.

Um inquérito policial foi instaurado para dar seguimento às investigações sobre possível prática de jogos de azar pela internet, enriquecimento ilícito ou mesmo crimes contra o sistema tributário ou eventual prática de associação criminosa.

De acordo com o delegado Fabiano Ribeiro Ferreira da Silva, titular da DIG, a identificação do suspeito como um influenciador ativo nas redes sociais levanta preocupações adicionais sobre como esses indivíduos podem usar sua influência para promover práticas ilegais.

Ainda de acordo com o delegado, é crucial o trabalho de investigação desenvolvido pela Polícia Civil para determinar o alcance total do envolvimento do suspeito e se há outros cúmplices envolvidos. (g1 Itapetininga e Região)

 

Comentar com o Facebook