Trabalhadores do Bingo do Boavista no Porto em Portugal voltam a protestar pela reabertura

Bingo I 03.11.21

Por: Elaine Silva

Compartilhe:
Trabalhadores do Bingo Boavista de Portugal dizem estar “fartos de esperar”
As salas de bingo concessionadas pela Pefaco, como o caso do Bingo do Boavista e da Nazaré, continuam encerradas

Cerca de uma dezena de trabalhadores do Bingo do Boavista, no Porto, manifestou-se nesta terça-feira à frente daquela sala de jogo para pedir à secretária de Estado do Turismo que cumpra a promessa de reabrir aquele espaço.

“Trabalhadores do Bingo do Boavista em luta pelo pagamento dos salários em atraso e pela reabertura da sala na defesa dos postos de trabalho” era a frase que se lia numa faixa que os trabalhadores mostraram durante a manifestação, em frente às instalações daquele bingo, na Avenida da Boavista.

As salas de jogo de bingo, bem como os cassinos, reabriram em 1º de maio, contudo, as salas do bingo concessionadas à Pefaco, como o caso do Bingo do Boavista e da Nazaré, continuam encerradas até ao dia de hoje.

“Estamos aqui neste momento para sensibilizar e para chamar a atenção da secretária de Estado do Turismo, que ela se comprometeu a criar uma comissão administrativa, coisa que ainda não fez até ao momento”, declarou à Lusa Nuno Coelho, dirigente no Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Norte.

Segundo Nuno Coelho, o concurso para nova concessão já foi aberto [em 18 de outubro], mas o que o sindicato tinha conversado na última reunião com a secretária de Estado do Turismo foi que, independentemente do tempo do concurso, iria ser “criada uma comissão administrativa para reabrir imediatamente o Bingo do Boavista”.

A sala do Bingo do Boavista e os trabalhardes continuam sem poder ocupar os seus postos de trabalho, que é isso que os trabalhadores reivindicam, para começar as receber os seus salários, porque o apoio da Segurança Social “não dura para sempre”, alertou o dirigente sindical, referindo, por outro lado, que os funcionários estão a ter uma quebra “muito grande nos seus rendimentos”.

“O fato de reabrir a sala e os trabalhadores poderem ocupar os seus postos de trabalho é uma garantia de que podem começar a receber os seus salários e não estão dependentes do apoio, porque o apoio também está a terminar”, explicou à Lusa, relembrando que os trabalhadores estão a receber o apoio do Governo desde fevereiro.

Questionado pela Lusa sobre se já há concorrentes candidatos ao concurso, Nuno Coelho disse que o sindicato não sabe de nenhum concorrente.

Com receio de que o concurso fique vazio, Nuno Coelho conta que o sindicato contactou o clube do Boavista para tentar perceber se estavam interessados e prometeu não vai deixar de “encetar” outros contatos.

A 21 de outubro, o Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Hotelaria, Turismo, Restaurantes e Similares do Norte (STIHTRS) havia manifestado “desilusão” por o Governo não ter nomeado nenhuma comissão administrativa para reabrir a sala do Bingo do Boavista e garantir a ocupação efetiva dos postos de trabalho.

“Estamos desiludidos e desapontados por não terem criado a comissão administrativa para reabrir a sala e garantir a ocupação efetiva dos postos de trabalho”, declarou o dirigente sindical.

No comunicado, o sindicato refere, por seu turno, que “o Estado, através do Turismo de Portugal, tinha aberto no dia 18 de outubro novos concursos para as salas de jogo do Bingo do Boavista e da Nazaré”, e que o “prazo para apresentação das propostas é o mínimo legal de 15 dias úteis, conforme a reivindicação dos trabalhadores”.

Em agosto, dezenas de trabalhadores do Bingo do Boavista concentraram-se à porta do Ministério do Trabalho do Porto a pedir a reabertura da sala de jogo, o pagamento de salários em atraso e acusando a Pefaco de ilegalidades.

O Bingo do Boavista tinha 62 trabalhadores em atividade antes de encerrar e “faturava mais de seis milhões de euros por ano”, lia-se na moção a que a Lusa teve acesso, em agosto.

Devido à situação dos salários em atraso, os 62 trabalhadores do Bingo do Boavista suspenderam o contrato de trabalho em março e estão a receber um “valor miserável equivalente ao subsídio de desemprego”, classificou na altura Francisco Figueiredo, do Sindicato de Hotelaria do Norte. (Notícias ao Minuto)

Comentar com o Facebook
error: O conteúdo está protegido.