Ala jurídica do governo é contra PL dos jogos de azar

Destaque I 04.07.24

Por: Magno José

Compartilhe:
Ala jurídica do governo é contra PL dos jogos de azar
O ministro da Advocacia-Geral da União, Jorge Messias (com o microfone na mão), participa da posse do novo presidente da Frente Parlamentar Evangélica, o deputado federal Eli Borges (PL-TO), nesta quarta-feira (Daniel Estevão/Ascom/AGU/Divulgação)

Técnicos em segurança pública do governo têm visto com preocupação o avanço do debate sobre o projeto que legaliza jogos de azar no país, a exemplos de bingos, cassinos e jogo do bicho, registra a CNN.

Para parte da ala jurídica do governo, a legalização do bicho e outros jogos semelhantes facilitará a atuação do crime organizado. Além de prejudicar a população mais pobre pelo risco de vício nesse tipo de aposta.

No governo, o PL em debate no Senado, tem apoio de ministros no Palácio do Planalto e simpatia do presidente da República, que recentemente, declarou que sancionará a proposta caso seja aprovada pelos senadores.

Nesta quarta-feira (3), o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, gravou um vídeo ao lado do relator do projeto, senador Irajá (PSD-TO) em apoio ao PL sob argumento de que “todos os países da OCDE (Organização para Cooperação e o Desenvolvimento Econômico) praticamente, quase todos os países do G20, mais de 90% dos países regulamentaram” esses jogos.

O relator do PL acredita que a liberação dos jogos de azar acarretará em arrecadação de 22 bilhões de reais.

O projeto já foi aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e está pronto para ser levado a plenário, mas ainda enfrenta resistências de senadores de oposição. O PL de Bolsonaro já indicou ser contra a proposta.

Editor comenta

Apesar da nota da CNN não informar a fonte da “ala jurídica do governo” contrária a legalização dos jogos, é possível ver as digitais do ministro da Advocacia-Geral da União, Jorge Messias, que é evangélico praticante e preferiu não contrariar parte do governo que é simpática a proposta.

Inclusive, em fevereiro deste ano, ministro da AGU, Jorge Messias, participou de um culto organizado pela Frente Parlamentar Evangélica na Câmara para marcar a posse do novo líder do grupo, o deputado federal Eli Borges (PL-TO), que substituiu o colega Silas Câmara (Republicanos-AM).  Messias discursou como emissário do Planalto e disse ter levado aos parlamentares presentes “uma mensagem de diálogo, paz e união, elementos que, como expressa a Bíblia Sagrada, devem sempre fazer parte da conduta dos homens de boa vontade”.

 

 

 

Comentar com o Facebook