Desmantelada rede criminosa que fraudava cassinos na Espanha

Compartilhar
A Polícia Nacional revelou que desmantelou uma organização criminosa dedicada à prática de fraudes em cassinos em toda a Espanha (Foto: Polícia Nacional de Espanha)

Os detidos, atualmente acusados de crimes cometidos em três cassinos do País Basco, Galiza e Catalunha, identificaram os padrões dos prêmios das máquinas de jogos recreativos e obtinham-nos ilegalmente utilizando “meios eletrônicos sofisticados”, afirmou a Polícia Nacional, em comunicado, lembrando que se tratou de uma operação conjunta com a polícia do País Basco (Ertzaintza).

A organização criminosa usava um sistema de detecção de padrões de jogo que alterava os algoritmos de redenominação dos carretos das máquinas de jogo e depois de detectar a sequência vencedora, fazia várias apostas na máquina visando tirar o maior partido em termos de prêmios.

A polícia confirmou a atividade deste grupo organizado em mais de uma dezena de cassinos em Espanha e não afasta a possibilidade de haver novas acusações que surjam com a investigação do caso.

As investigações policiais localizaram dois dos acusados em Guipúzcoa, no País Basco, tendo constituído um grupo de trabalho conjunto entre a Polícia Nacional e a Ertzaintza focado na identificação dos membros da organização criminosa, bem como na obtenção de imagens e denúncias feitas pelos cassinos.

Os prêmios eram sempre inferiores a mil euros, pelo que a identidade dos elementos da quadrilha não era pedida durante o pagamento dos prêmios na caixa dos cassinos.

A polícia conseguiu apurar que estas eram as mesmas pessoas que realizaram este golpe nos cassinos de Girona, Corunha e do País Basco, e que visitaram, entre outros, os cassinos de Valladolid, Saragoça e de Madrid.

A investigação policial confirmou ainda a presença deste grupo em casas de jogo na França, teve conhecimento que um dos seus membros estava na Bélgica e aguarda por mais informações de outros países.

Atualmente, devido à pandemia de covid-19 e às restrições impostas à mobilidade e aos acessos aos cassinos, a atividade criminosa do grupo estava temporariamente parada.

Esta circunstância, bem como o fato de um quarto elemento do grupo ter deixado a Espanha, levou a que as equipes de investigação da Ertzaintza e da Polícia Nacional efetuassem as detenções em Irún de dois homens e uma mulher, de 45, 31 e 44 anos, respectivamente.

Além disso, requereram à autoridade judiciária um mandado de prisão do quarto membro. (Notícias ao Minuto com Reuters)

Comentar com o Facebook