Bolsonaro volta a criticar urnas e sugerir apuração semelhante ao do prêmio da Mega-Sena

Loteria I 05.08.22

Por: Magno José

Compartilhe:
Bolsonaro compara urnas à Mega-Sena e diz que loteria é mais segura

Repetindo seus ataques ao sistema eleitoral brasileiro, o presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou a sugerir nesta quinta-feira, 4, que seja adotado um modelo de apuração de votos semelhante ao da Mega-Sena. “Temos que nos preocupar” disse o presidente sobre as urnas durante reunião com pastores da Assembleia de Deus em São Paulo.

Bolsonaro afirmou que nos próximos dias pretende levar pessoas à Caixa Econômica Federal para mostrar como é a apuração do prêmio, que, na sua opinião, é mais seguro.

Bolsonaro voltou a atacar ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), mas sem mencioná-los, e defendeu a participação das Forças Armadas no processo eleitoral. “Três do TSE acreditam piamente nas pesquisas do Datafolha. Estou fazendo minha parte no tocante a isso. Estou buscando impor, via Forças Armadas, que foram convidadas, a nós termos eleições transparentes”, disse.

As Forças Armadas enviaram na quarta-feira, 3, ao TSE nove militares para iniciar a inspeção dos códigos-fonte dos sistemas da urna eletrônica. O trabalho deve durar dez dias. Apesar de os dados estarem disponíveis para análise desde outubro do ano passado, o ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, só solicitou o acesso só nesta semana e em caráter “urgentíssimo”.

O presidente voltou a criticar manifestos promovidos pela sociedade civil e empresários em defesa da justiça eleitoral e da democracia. O chefe do Executivo se referiu novamente ao documento como “cartinha da democracia”. No último dia 2, Bolsonaro declarou que não precisa assinar carta para comprovar ser democrata.

Durante reunião com pastores, Bolsonaro reforçou o discurso conservador, com foco na pauta de costumes. “Ideologia de gênero é uma coisa que a gente não pode aceitar”, enfatizou Bolsonaro aos convidados presentes. Ao longo do encontro, pastores foram ao palco discursar em defesa da reeleição do presidente. Lideranças afirmaram a necessidade de escolher um nome que “fale a nossa língua”, não só para o Executivo, mas também para o Congresso. (O Estado de S.Paulo)

***

Oficial escalado para auditar urna difunde fake news e faz militância pró-Bolsonaro nas redes

Um dos militares enviados nesta semana pelo Ministério da Defesa para inspecionar o código-fonte das urnas eletrônicas no Tribunal Superior Eleitoral, o TSE, se apresenta na internet como um aguerrido militante bolsonarista.

O coronel do Exército Ricardo Sant’ana integra a equipe de nove oficiais que, na última quarta-feira, começou a analisar o código das urnas logo após o ministro da Defesa, Paulo Sérgio Nogueira, enviar um ofício ao TSE com tarja de “urgentíssimo” pedindo que a Corte agendasse o início da análise.

Candidato à reeleição, e em desvantagem nas pesquisas, o presidente Jair Bolsonaro tem usado os questionamentos das Forças Armadas sobre o sistema eletrônico de votação para amplificar seus ataques ao processo eleitoral.

Procurado pela coluna, o Ministério da Defesa não se pronunciou sobre a postura do militar. Após o envio das perguntas, o coronel apagou seu perfil no Facebook.

Voto e loteria

Um vídeo compartilhado pelo coronel Sant’ana compara o exercício do voto à compra de um bilhete de loteria. No esquete, criado justamente para reverberar a pregação bolsonarista, um homem pede o comprovante impresso do seu jogo na loteria e se revolta ao ouvir do funcionário que ele precisa “confiar no sistema”. (Coluna Ricardo Rangel – Metrópoles)

Comentar com o Facebook
error: O conteúdo está protegido.