Brasileiros são a favor do uso de IA em apostas para detectar e proteger jogadores em risco

Apostas I 18.02.22

Por: Magno José

Compartilhe:
Apenas 9% dos brasileiros discordem do uso da tecnologia de IA dizendo que estariam preocupados com o potencial de que tais informações sejam usadas contra eles por seu governo, trabalho ou família

Um estudo recente da Playtech, maior fornecedora mundial de softwares de jogos online e apostas esportivas, descobriu que três de cada quatro brasileiros são a favor do uso de Inteligência Artificial (IA) para ajudar a detectar e prevenir problemas de jogo. Realizado em colaboração com a plataforma global de pesquisas Toluna Insights, o estudo online da Playtech entrevistou mais de 2 mil pessoas em quatro países da América Latina — Argentina, Brasil, Chile e Colômbia — com o objetivo principal de entender as opiniões e preocupações da população da região.

No Brasil, 76% dos entrevistados responderam positivamente quando perguntados se as empresas de apostas deveriam usar a IA para detectar jogadores de risco. Quando perguntados por que se sentiam assim, 51% disseram que, enquanto a privacidade dos dados for protegida, isso garantiria que os jogadores fossem mantidos seguros, enquanto 25% disseram que prevenir problemas de jogo é mais importante do que proteger dados privados.

Quando se trata de problemas de jogo e vício, os brasileiros são cautelosos e cautelosos. Dois terços dos brasileiros consideram o empréstimo de dinheiro para jogar (64%) como a característica comportamental que eles acham mais preocupante entre os jogadores. A segunda e terceira respostas mais populares, com 58% e 57%, respectivamente, foram os traços comportamentais de emprestar dinheiro para jogar e pagar dívidas e mentir para a família. Enquanto isso, 20% temem perder todo o seu dinheiro enquanto apostam online ou se tornam viciados em jogos de azar, destacando a importância de mecanismos de proteção e ferramentas de jogo responsáveis.

“O jogo responsável é um dos pilares da nossa empresa”, disse Francesco Rodano, diretor de política da Playtech. “Não só trabalhamos incansavelmente para evitar que o problema de jogo surja, mas também trabalhamos incrivelmente duro para identificar clientes potencialmente em risco e entregá-los com intervenções de jogo mais seguras sob medida. Essa abordagem de duas pontas de detecção e prevenção precoce é extremamente reforçada pelo uso da IA, que analisa os dados dos jogadores anonimamente e fornece insights valiosos com base em vários tipos de comportamentos do jogador.”

O braço de análise da Playtech, BetBuddy, emprega uma equipe experiente e apaixonada de pesquisadores, cientistas de dados e engenheiros focados apenas no desenvolvimento de soluções de RG líderes de classe. O software líder do setor pode classificar o risco do jogador usando dados anonimizados e aprendizado de máquina, ao mesmo tempo em que reconhece que todos os jogadores são diferentes. O módulo de IA explicável da BetBuddy fornece uma lista de mais de 70 marcadores de risco individuais para cada jogador identificado como em risco, permitindo uma intervenção personalizada e mais eficaz. Por exemplo, o BetBuddy analisa tudo, desde o número de tipos de pagamento usados nos últimos três meses até a variação do valor de depósito, tempo e tempo de atividade e muito mais. Único provedor de soluções de jogo a ter pesquisas aceitas nas principais conferências de IA do mundo, a BetBuddy está atualmente trabalhando com 10 grandes empresas de jogo em todo o mundo. Também apareceu em mais de 60 artigos revisados por pares e apresentações de conferências, focadas em danos ao jogo, design de produto mais seguro, Inteligência Artificial e Inteligência Artificial Explicada e interações com clientes, usando grandes conjuntos de dados do mundo real.

Nesse contexto, não é surpresa, então, que apenas 9% dos brasileiros discordem do uso da tecnologia de IA dizendo que estariam preocupados com o potencial de que tais informações sejam usadas contra eles por seu governo, trabalho ou família. Em outros lugares do estudo, verificou-se que entre as medidas que as empresas de apostas podem tomar para promover o jogo responsável, os brasileiros acreditam que os sites devem oferecer informações claras aos usuários sobre o risco inerente ao jogo (61%), devem mostrar informações claras sobre dinheiro e tempo gasto em apostas para jogadores (56%), e — crucialmente — devem analisar o comportamento dos apostadores para detectar se correm o risco de se tornarem problemáticos (54%). Apenas 13% dos entrevistados disseram que as empresas não precisam fazer nada a respeito, pois não é responsabilidade deles.

“Nossa tecnologia não só protege os jogadores do desenvolvimento de problemas, mas também protege seus dados e privacidade, o que nossa pesquisa tem provado ser uma preocupação para os brasileiros”, acrescentou Rodano. “A BetBuddy desenvolve soluções de RG líderes de classe há mais de 10 anos. Nossos clientes e seus clientes podem ter certeza de que os dados coletados são usados exclusivamente para seu objetivo principal – para detectar e prevenir problemas de jogo.

A regulação das apostas online, como é o caso no Brasil, não só fortalece os mecanismos de proteção dos jogadores, mas também ajuda a proteger o Estado e a indústria do jogo, bem como a privacidade e os dados dos jogadores. A Playtech faz parcerias e investe nas principais marcas em mercados regulamentados e recém-regulamentados para fornecer sua tecnologia de jogo baseada em dados em toda a cadeia de varejo e valor online.

Comentar com o Facebook
error: O conteúdo está protegido.