Jogos de azar preocupam enquanto empresas indianas apostam alto em jogos online

Apostas I 17.05.22

Por: Elaine Silva

Compartilhe:
A All India Gaming Federation defende que um jogo de azar é diferente de um “jogo de habilidade”, acrescentando que neste contexto da internet o fator habilidade supera o fator sorte. O fenômeno “jogos de dinheiro real” preenche quase 80% da indústria de jogos online na Índia

Um investimento, uma aposta, um jogo? Há um problema na Índia, no que diz respeito aos jogos online.

O fenômeno “jogos de dinheiro real” preenche quase 80% da indústria de jogos online na Índia. É uma jogada única, que poderá fazer o apostador ganhar (ou perder) dinheiro imediatamente.

Esse setor está em nítida expansão: crescimento de 30% por ano e há milhões de indianos viciados nos jogos através da internet, entre os 400 milhões de jogadores. É uma “aposta”, um investimento online, defende a Federação de Jogos Eletrônicos da Índia.

Os críticos ignoram essas designações: é jogo. “Seja qual for o jogo online, em última análise, eles estão apostando dinheiro contra a ocorrência, ou não, de um evento que não está sob o nosso controle. Tudo permanece incerto e, por natureza, é um jogo”, justificou o advogado Siddhartha Iyer, em declarações à uma extensa reportagem da BBC.

Siddhartha é uma das pessoas que estão bloqueando e banindo os sites desse jogos, perante uma preocupação generalizada no país.

Na Índia, os jogos de azar são ilegais. E alguns dos Estados locais já proibiram os jogos online porque, explicaram, criam dependência e problemas de saúde mental.

O Supremo Tribunal da Índia está analisando um conjunto de petições, que pretendem igualmente impedir o acesso a estes sites. Há Governos locais que estão empenhados a proibir os jogos de azar online.

No entanto, outra federação, a All India Gaming Federation defende que um jogo de azar é diferente de um “jogo de habilidade”, acrescentando que neste contexto da internet o fator habilidade supera o fator sorte.

Além disso, o pagamento inicial é uma “taxa de entrada”, o que não significa que seja “equivalente a jogos de azar”.

A mesma federação espera que os sites não sejam bloqueados, estando disponível para serem criadas leis à volta deste setor.

Mas há um problema na legislação, na Índia: é o Governo central que define as leis sobre a internet, mas são os Governos dos Estados que definem as leis sobre os jogos de azar. Ou seja, uma legislação sobre os jogos online só será aprovada se todos os Estados aprovarem a ideia.

Quem está à espera de regras é Faisal Maqbolol, um dos 400 milhões de jogadores na Índia. Faisal ficou sem praticamente 5 mil euros em cinco meses; e chegou a perder 70% do seu salário num jogo online de cartas. Pediu dinheiro emprestado a amigos: “É um vício”. (ZAP Aeiou)

Comentar com o Facebook
error: O conteúdo está protegido.