Mega Sena: Veja a história da maior modalidade lotérica do Brasil

Loteria I 17.02.22

Por: Elaine Silva

Compartilhe:
Ninguém acerta as seis dezenas da Mega-Sena e prêmio vai a R$ 27 milhões 3
Queridinha de milhares de pessoas, a Mega-Sena se tornou um fenômeno desde que foi lançada

A Mega-Sena é a loteria mais popular do Brasil. Queridinha de milhares de pessoas, ela se tornou um fenômeno desde que foi lançada e rapidamente despertou atenção de quem é fã de apostas e gostaria de mudar de vida. Essa modalidade lotérica ganhou admiração e cresce a cada ano que passa. Confira a história da Mega-Sena:

Quando a Mega-Sena surgiu?
A modalidade lotérica Mega-Sena foi criada pela Caixa Econômica Federal, em março de 1996. Ela substituiu a antiga “Sena” e logo se popularizou entre os brasileiros pois gerava a expectativa de entregar “prêmios gigantescos”.

Como funcionava a antiga Sena?
A antiga Sena permitia ao jogador acertar os números sorteados na Sena (acertar seis dezenas); Sena anterior (acertar as dezenas anteriores aos números sorteados); Sena posterior (acertar as dezenas posteriores aos números sorteados); além da Quina e a Quadra.

Por qual motivo a Mega-Sena foi criada?
A Mega-Sena foi criada devido os ganhadores da antiga “Sena” esquecerem da “Sena anterior” e Sena posterior”.

Qual o valor do primeiro prêmio da Mega-Sena?
O valor do primeiro prêmio da Mega-Sena foi de mais de R$ 1 milhão de reais. Ninguém acertou os seis números sorteados no primeiro concurso, acumulando o valor para o segundo concurso. No entanto, houve ganhadores da quina e quadra.

Quanto custava para apostar na Mega-Sena?
O valor mínimo pago para fazer uma aposta na Mega-Sena era de R$ 1 real. E na antiga Sena era de 32 centavos. Atualmente, o preço da aposta simples, com seis dezenas, é de R$ 4,50.

Qual o valor do prêmio mais alto da Mega-Sena?
No concurso regular da Mega-Sena, a maior premiação individual já registrada aconteceu em 11 de maio de 2019. Neste dia, aproximadamente R$ 289 milhões foram pagos para um único apostador. (O Liberal – Maiza Santos e Carlos Fellip)

Comentar com o Facebook
error: O conteúdo está protegido.