FGF investiga suspeita de manipulação na terceira divisão gaúcha após goleada por 7 a 0

Apostas I 04.08.22

Por: Elaine Silva

Compartilhe:
Postagem de jogador do Farroupilha nas redes sociais sugeriu que a derrota para o Bagé pelo placar elástico teria relação com apostas esportivas

Um placar elástico, mensagens publicadas em redes sociais e áudios que circulam no WhatsApp fizeram a Federação Gaúcha de Futebol (FGF) abrir um procedimento para investigar a suspeita de manipulação de resultados ligados a apostas esportivas na terceira divisão do Campeonato Gaúcho.

A entidade protocolou ontem no Tribunal de Justiça Desportiva (TJD-RS) um pedido de abertura de inquérito disciplinar desportivo para investigar a partida entre Bagé e Farroupilha. O jogo, realizado no último domingo, terminou 7 a 0 para o time de Bagé.

O procurador Alberto Franco, do TJD, confirmou à reportagem da RBS TV que o caso está sendo analisado e que um procedimento deve ser instaurado até a quinta-feira. O protocolo da FGF prevê que a denúncia seja encaminhada também à Polícia Civil e ao Ministério Público.

As suspeitas de manipulação se tornaram públicas no dia seguinte à partida após uma manifestação do jogador Iago Padilha, do Farroupilha. Em um texto postado nas redes sociais, ele mostra indignação com o placar elástico e sugere que o resultado foi “facilitado”.

– Não respeitaram o clube, pessoas de outras cidades vieram para acabar com o clube. É lamentável o que eles fizeram na partida contra o Bagé. Os caras vêm de fora e usam o clube para fazer aposta, é sacanagem isso – escreveu.

Na sequência, Iago comunica o seu desligamento da equipe. Poucas horas depois, a postagem foi apagada das redes sociais pelo jogador.

Ainda na noite de segunda-feira, o Farroupilha publicou um vídeo em suas redes sociais, no qual aparecem o presidente do clube, Fábio Costa, e o jogador. O mandatário do time pelotense apresenta uma justificativa para a manifestação realizada por Iago.

– Todos estavam de cabeça quente. Iago Padilha foi mal interpretado em uma postagem. Ele se referiu à venda do jogo. Isso não é verídico, não aconteceu. Ele se referia à doação dos jogadores que entraram e não renderam 100%. Ele quis falar da entrega dos jogadores – disse Fábio Costa.

O vídeo com o presidente do Farroupilha e o jogador também foi apagado. Mais tarde, o assunto foi tratado pelo advogado Hermes Rockenbach, diretor jurídico do clube, em novo vídeo. Nesta segunda resposta, o dirigente garantiu que a instituição está apurando todos os detalhes sobre s denúncia.

– Queremos deixar claro à torcida e a quem ama o esporte que estaremos buscando, junto ao MP e aos órgãos competentes, averiguar. E quem for responsável por algum resultado ou por denúncia caluniosa será responsabilizado. O fato é extremamente grave e não pode passar impune – declarou.

O Farroupilha é o lanterna do Grupo D, com um ponto, e já não tem mais chances de classificação à próxima fase. O time de Pelotas trocou de técnico durante a competição e chegou a atuar com oito jogadores na primeira rodada, quando perdeu por 1 a 0 para o Rio Grande, sob a alegação de problemas nas inscrições dos atletas.

Confira a nota da FGF:

A Federação Gaúcha de Futebol – FGF tem uma parceria com a empresa de dados Sportradar, que visa a integridade das ações esportivas, com monitoramento global de movimentações em mercados de apostas. Qualquer denúncia nesse sentido recebida pela FGF é repassada aos órgãos competentes para investigação: Polícia Civil, Ministério Público e TJD.

A FGF protocolou, no dia 2 de agosto, pedido de abertura de inquérito disciplinar desportivo para investigar a partida entre Bagé e Farroupilha, pelo Gauchão Série B, no Tribunal de Justiça Desportiva (TJD). (ge Globo – Roberto Peruzzo — Caxias do Sul)

Comentar com o Facebook
error: O conteúdo está protegido.