J.Ricardo está confortável no topo do mundo

Jockey I 11.01.22

Por: Elaine Silva

Compartilhe:
Ricardinho confirma presença em Cidade Jardim
Ricardinho ganha com pule de oitenta para Stud Embalagem

Aos 60 anos, Jorge Antônio Ricardo, segue cada vez mais confortável no topo do ranking mundial de jóqueis, agora com 13.151 vitórias, em 45 anos de carreira. Na relação dos 10 jóqueis mais ganhadores de corridas de todos os tempos, seis deles, Russel Baze, Laffit Pincay Jr, William Shoemaker, Pat Day, Pablo Falero e David Gall já encerraram as suas carreiras. Ricardinho tem como rivais, os outros três jóqueis desta lista, ainda em atividade, Edgar Prado, 7º colocado, com 7.408, Fumio Matoba, 9º, com 7.372, e Perry Wayne Ouzts, 10°, com 7.244. Além de estarem afastados em número de vitórias, não têm mais idade suficiente para alcançá–lo. Ou seja, se um dia na história da humanidade, aparecer algum outro jóquei para superar a sua marca terá de ser um piloto que ainda não veio ao mundo.

Os outros três jóqueis, entre os 10 mais vitoriosos, têm conquistados menos pontos do que o brasileiro. O peruano, Edgar Prado, aos 57 anos, tem montado pouco no Hipódromo de Gulfstream Park. Fumio Matoba, o japonês, diminuiu o ritmo em seu país, depois do início da pandemia. Está com 65 anos, portanto, mais velho do que o brasileiro. E o americano, Perry Wayne Ouzts, que atua em hipódromos secundários nos Estados Unidos, é o de idade mais avançada. Nasceu em 7 de julho de 1954, ou seja, já passa dos 67 anos. Onde se conclui que o filho de Antônio Alfredo Ricardo, treinador de Taim, responsável pelo seu primeiro triunfo, em 1976, continua livre, leve e solto, como se fosse um Highlander, inexpugnável para a eternidade… (Raia Leve – Paulo Gama)

Ricardinho ganha com pule de oitenta para Stud Embalagem

Jorge Ricardo, aos 60 anos, está como um bom vinho. Quanto mais o tempo passa, ele demonstra o maior talento e a mesma capacidade incrível de ganhar corridas. Depois de ter conquistado na quarta prova, um triunfo para o Stud Embalagem, com Jicarilla, há poucos instantes, no último páreo, no dorso de Jedinak, de criação e propriedade do Stud Embalagem, repetiu o triunfo anterior para o treinador C. Garcia. Conseguiu passagem milimétrica, na entrada da reta final, com o filho do ótimo reprodutor, Poker Face, na égua Olympic Enemy, e faturou o triunfo 13.151 de sua carreira, novo recorde mundial, com rateio de 8 por 1. Amanhã, ele está por aqui, de volta ao Hipódromo da Gávea. (Raia Leve – Paulo Gama)

Comentar com o Facebook
error: O conteúdo está protegido.