PE — ARPE — RESOLUÇÃO ARPE Nº 03/2004 — Regula a operação da modalidade Loteria Mista.

Loterias Estaduais I 12.03.04

Por: sync

Compartilhe:

AGÊNCIA DE REGULAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS DELEGADOS DO
ESTADO DE PERNAMBUCO – ARPE
RESOLUÇÃO ARPE Nº 03/2004
Regula a delegação da exploração, o controle, a fiscalização e a operação da modalidade Loteria Mista, prevista na Lei Estadual nº 12.343 de 29 de fevereiro de 2003.
A Agência de Regulação de Serviços Públicos Delegados do Estado de
Pernambuco – ARPE, com base na Lei n 12.343, de 29 de janeiro de 2003, no Decreto 25.851, de 12 de setembro de 2003, e nos editais de concorrência de nos 01, 02, 03, 05 e 06 do ano de 2003,
R E S O L V E:
CAPÍTULO I
Das Disposições Gerais
Art. 1°. A presente Resolução objetiva regular, no âmbito do Estado de
Pernambuco, a modalidade de concurso de loteria mista, a ser operacionalizada por pessoas jurídicas, visando a obtenção de recursos para fomento do desporto no Estado.
§ 1° – A pessoa jurídica vencedora do processo licitatório poderá realizar o concurso de prognósticos de que trata o "caput" deste artigo, podendo tal concurso ser dividido em várias etapas ou sorteios, pelo período determinado pela licitação, desde que não ultrapassem a periodicidade de duas extrações semanais.
§ 2° – A modalidade de loteria mista é aquela realizada com venda de bilhetes previamente numerados, reunindo características de duas ou mais modalidades previstas na Lei 12.343, de 29 de janeiro de 2003, utilizando-se do apoio de sistema de computação e podendo oferecer prêmios em dinheiro e/ou em bens, sendo operacionalizados por meio de mídia eletrônica (emissoras de TV/Radio) e seus resultados divulgados por meio de mídia eletrônica e escrita (emissoras de TV, Rádios e Jornais).
CAPÍTULO II
Da Permissão
Art. 2° – A permissão para exercer a atividade de loteria mista obedecerá ao que determina o art. 7º da Lei 12.343, de 29 de janeiro de 2003.
Art. 3º – A empresa licitante vencedora do certame licitatório deverá,
continuamente, durante todo o período de vigência do seu contrato, endereçar à ARPE requerimento de autorização para a realização das extrações, acompanhado dos documentos abaixo, com folhas numeradas, autenticadas, rubricadas pelo representante legal da empresa e encadernados, em 2 (duas) vias e com antecedência mínima de 15 (quinze) dias do inicio da primeira extração
requerida:
I – Plano de premiação, no qual deverão constar os seguintes dados e
informações:
a) previsão de vendas, definindo o preço unitário do elemento sorteável (bilhete, cartela, cartão, tíquete, cupom e assemelhados) e a quantidade a ser emitida;
b) plano de distribuição de prêmios, contendo a quantidade, a especificação e os valores, unitário e total, com descrição minuciosa deles;
c) no caso de promessa de premiação de bens corpóreos (imóveis, veículos, eletrodomésticos e outros semelhantes), viagens, ações ou títulos patrimoniais, a empresa permissionária, quando da solicitação de autorização para realização do evento, deverá apresentar os documentos de sua efetiva e plena propriedade, sem quaisquer ônus ou restrições de direito, bem como do pagamento do imposto
correspondente;
d) definição do local e data(s) de realização do(s) processo(s) de definição do(s) ganhadores(s) e entrega dos prêmio(s);
e) área de abrangência do sorteio;
f) descrição detalhada da metodologia utilizada e ordem de classificação do(s) prêmio(s) e sua vinculação com o(s) resultado(s) do(s) processo de definição do(s) ganhadores;
g) nome, endereço e número de inscrição no CNPJ da organização responsável pela realização do evento e pela impressão dos bilhetes;
h) declaração da caducidade do direito ao prêmio, após 180 (cento e oitenta) dias contados a partir da data de realização do evento;
II – comprovação da contratação de empresa de auditoria independente, registrada no Conselho Regional de Contabilidade de Pernambuco, para auditar a promoção durante o seu decorrer, bem como emitir relatório final sobre as atividades e os procedimentos adotados;
III – modelo do elemento sorteável, no qual deverão estar consignados:
a) regulamento do evento;
b) número de ordem e série correspondente se for o caso;
c) nome da empresa permissionária, seu endereço, número do telefone e CNPJ;
d) local, data e forma de apuração do resultado;
e) local e prazo de entrega do prêmio;
f) relação dos prêmios e sua ordem de classificação;
g) endereço e/ou telefone para informações ou reclamações;
h) número da autorização da ARPE de forma destacada;
i) agentes arrecadadores credenciados;
j) nome, endereço, telefone e CNPJ da gráfica responsável pela emissão do elemento sorteável, que obrigatoriamente deverá ser credenciada na ARPE.
IV – prova de inscrição no CNPJ;
V – certidões negativas de tributos federais, estaduais e municipais;
VI – certidão negativa de débito com a Seguridade Social (INSS, FGTS);
VII – certidões dos cartórios distribuidores do foro cível, criminal e trabalhista da comarca do domicílio da pessoa jurídica e dos seus representantes legais, comprovando a idoneidade de ambos. No caso de sociedade anônima, as certidões deverão ser emitidas em nome do sócio majoritário;
VIII – certidão emitida pelo órgão de proteção ao consumidor, no município da sede da pessoa jurídica, de que não existem pendências contra consumidores;
IX – certidão negativa de antecedentes criminais dos sócios e quotistas da pessoa jurídica, empregados contratados e/ou, ainda, pessoas envolvidas com o sorteio.
X – certidão negativa dos sócios e da pessoa jurídica emitida pelos cartórios de protesto do domicilio de ambos.
Parágrafo único – A ARPE poderá promover ou solicitar à realização de
diligências no sentido de apurar a correção e a veracidade das informações, dados e documentos.
Art. 4º – As permissionárias ficam obrigadas a renovar as certidões de
regularidade fiscal à medida que for expirando o respectivo prazo de validade, bem como as certidões de protesto.
Art. 5º – Quando ocorrerem mudanças ou alterações no contrato social da permissionária, as mesmas deverão ser apresentadas à ARPE, no prazo máximo de 10 (dez) dias úteis.
Art. 6º – O descumprimento dos artigos anteriores suspenderá automaticamente a autorização em curso e acarretará a aplicação das sanções previstas no art. 17 da Lei 12.343 de 29 de janeiro de 2003, independente de qualquer comunicação à entidade comercial, que poderá ser feita a posteriori.
Art. 7º – O direito de realizar ou divulgar reuniões de sorteios eventos estão condicionados à prévia autorização.
Art. 8° – Todo material gráfico utilizado na comercialização da modalidade loteria mista terá que ser, obrigatoriamente, confeccionado por uma das gráficas credenciadas pela ARPE.
CAPITULO III
Das despesas
Art. 9º – A empresa permissionária se comprometerá, no mínimo, com os seguintes percentuais:
a) 10% da receita bruta serão recolhidos em favor da ARPE;
b) 30% do bruto serão destinados para custear premiação e os impostos incidentes;
c) 20% do bruto serão destinados para custear a comissão dos agentes lotéricos; e
d) o saldo remanescente será utilizado para custear todas às despesas operacionais da empresa permissionária.
CAPÍTULO IV
Da prestação de contas do evento
Art. 10 – Concluído o evento, a empresa permissionária responsável pelo concurso de que trata a presente Resolução deverá manter sob sua guarda, por 05 (cinco) anos, toda a documentação relativa ao mesmo, e protocolar, no prazo máximo de dez (10) dias seguintes à data da realização de cada extração a respectiva prestação de contas endereçada à ARPE, constando:
I – cópia da ata ou da memória do evento emitida pela empresa de auditoria independente contratada, certificando a regularidade da apuração e dos respectivos procedimentos;
II – comprovante do recolhimento dos tributos e taxas incidentes sobre o evento;
III – relação nominal de todos os ganhadores, com respectivos prêmios, CPFs, documentos de identidade, comprovante de residência, número do telefone, unidades de sorteio contempladas e a segunda via do "Termo de Recebimento do Prêmio";
IV – receita total com a venda das cartelas;
V – distribuição dos recursos;
VI – número dos elementos sorteáveis comercializados, com sua série e numeração;
VII – extrato bancário atualizado da empresa permissionária;
VIII – cópias das notas fiscais dos prêmios distribuídos em bens;
IX – cópia da fita de vídeo e/ou radio do evento;
X – publicação da relação dos ganhadores em jornal de grande circulação no Estado;
XI – balancete geral do evento;
Parágrafo único – A empresa terá que repassar para ARPE, no mínimo, o valor constante no contrato de permissão, sendo devida à ARPE a diferença superior, caso seja constatada, sem prejuízo da aplicação das penalidades cabíveis por este erro ou omissão.
CAPÍTULO IV
Das disposições gerais
Art. 11 – A entidade promotora do evento poderá solicitar o cancelamento do evento, desde que não tenha iniciado a sua divulgação.
Art. 12 – A ARPE poderá promover ou solicitar diligências no sentido de apurar a correção de dados contidos em certidões, documentos e informações apresentadas, e somente serão aceitos documentos originais e cópias autenticadas por cartório oficial.
Parágrafo único – A juntada de documentos a qualquer processo deverá ser feita por petição formal, através do protocolo da ARPE.
Art. 13 – A qualquer tempo, a ARPE poderá determinar a elaboração de diagnóstico técnico, por intermédio de órgão competente, visando averiguar a idoneidade do sistema e a segurança dos equipamentos de sorteios, e coibir interferências eletroeletrônicas ou manipulação humana que alterem ou distorçam a natureza aleatória dos eventos.
Art. 14 – Constitui infração qualquer ato que venha a ser cometido pela empresa permissionária que realize a atividade de loteria mista em desacordo com as condições estabelecidas nesta Resolução.
Art. 15 – A inobservância dos termos desta Resolução implicará na aplicação das sanções contidas no Artigo 17 da Lei n 12.343, de 29 de janeiro de 2003, sem prejuízo das previstas na legislação penal.
Parágrafo Único – A aplicação das multas não afastam o alcance das sanções previstas no Art. 17, da Lei 12.343 e na legislação penal.
Art. 16 – Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação no Diário Oficial do Estado de Pernambuco.
Recife, 12 de março de 2004.
JAYME JEMIL ASFORA FILHO
Diretor Presidente

Comentar com o Facebook
error: O conteúdo está protegido.