Bingo para garimpeiros tem ouro e até ‘uma mulher’ como prêmios

Blog do Editor I 24.05.22

Por: Magno José

Compartilhe:
Além do ouro e de uma mulher, o bingo também oferece um relógio masculino para quem acertar a quadra (Foto: Reprodução)

“Na quina uma mulher, na quadra um relógio masculino”. Estes prêmios estão no cartaz de um bingo destinado a garimpeiros e divulgado em um grupo de mensagens nesta segunda-feira (23). A premiação principal para quem fizer a “cartela cheia” é de 50 gramas de ouro, o equivalente a cerca de R$ 14,4 mil, segundo a cotação do Banco Central.

O g1 obteve o print de um grupo no Whatsapp chamado “Amigos do Rio Uraricoera”, em referência a principal via fluvial usada pelos garimpeiros para chegar aos acampamentos dentro da Terra Yanomami.

O mesmo grupo possui como imagem de perfil a logomarca do “Movimento Garimpo é Legal”, que usa como símbolo o Monumento ao Garimpeiro, ponto turístico na praça do Centro Cívico, em frente ao Palácio do Governo, em Boa Vista.

A imagem da conversa mostra que o cartaz do sorteio foi divulgado por uma mulher identificada como Nayara, por meio de um telefone com DDD 95, de Roraima.

Além do bingo, o cartaz também anuncia um show ao vivo. O evento chamado “Bingo da Nayara”, está marcado para este sábado (28), no “Cabaré do Taituba”.

A reportagem entrou em contato com o número que fez a divulgação, mas não teve retorno até a última atualização.
A estrutura dos garimpos dentro da floresta pode ser, muitas vezes, comparada a uma “minicidade”. Operações da Polícia Federal já encontraram prostíbulos, boates, festa de carnaval, serviço de Wi-fi, restaurantes e até um consultório odontológico.

Em um cartaz de bingo apreendido pelos policiais, em uma dessas operações, os prêmios divulgados eram revólveres e dois litros de whisky. Duas cartelas custavam 1,5 grama de ouro.

Roraima possui diversos garimpos espalhados pelo estado, em especial nas terras indígenas Yanomami e Raposa Serra do Sol. A atividade é ilegal e além do desmatamento, provoca poluição dos rios, conflitos e impacta diretamente na saúde da população que vive nas comunidades. (g1 RR — Boa Vista – Vanessa Fernandes)

Comentar com o Facebook
error: O conteúdo está protegido.