Daqui a 25 dias, no Hipódromo da Gávea, a Copa dos Criadores da ABCPCC

Jockey I 14.07.22

Por: Elaine Silva

Compartilhe:
Cinco reuniões no GP Brasil é boa opção para o JCB
A prova central, a Copa ABCPCC Clássica, Matias Machline, Grupo 1, reunirá produtos de 4 anos e mais idade, na distância de 2000 metros, na grama

A diretoria do Jockey Club Brasileiro já se organiza para promover mais um grande evento turfístico. No dia 7 de agosto, portanto, daqui a exatos 25 dias, o Hipódromo da Gávea será o palco do Festival ABCPCC, Associação Brasileira de Criadores e Proprietários de Cavalos de Corrida. Na mesma tarde serão disputadas sete provas do calendário clássico, um desfile de campeões, como acontece anualmente. A prova central, a Copa ABCPCC Clássica, Matias Machline, Grupo 1, reunirá produtos de 4 anos e mais idade, na distância de 2000 metros, na grama. As tradicionais Taças de Prata, GP Adhemar de Almeida Prado, Grupo 1, para potros de 3 anos, e GP Margarida Polak Lara, Grupo 1, para potrancas, da mesma idade, são outras duas provas graduadas.

A Copa ABCPCC Velocidade, Mário Belmonte Moglia, Grupo 3, em 1000 metros, na grama, terá o desfalque da craque In Essence, do Haras Santa Maria de Araras, que teve confirmada ontem, a sua ida para a reprodução, em Bagé, onde fica um dos campos de criação da importante coudelaria. As demais provas clássicas são os GPs Copa ABCPCC Éguas, Gonçalo Borges Torrealba, em 2000 metros, na grama, a Copa ABCPCC Milha, Oscar Pacheco Borges, em 1600 metros, na grama, e a Copa ABCPCC Milha Areia, Sylvio Bertoli, em 1600 metros, na areia. A expectativa dos dirigentes do JCB é de receber grande público no prado carioca, a exemplo do que aconteceu, recentemente, por ocasião da disputa do Grande Prêmio Brasil.

Puro-sangue melhor apresentado

Roberto Morgado Júnior, e o filho, Roberto Morgado Neto, foram responsáveis nesta semana por dois reaparecimentos vitoriosos dignos de nota. No primeiro páreo de domingo, Betinho trouxe de volta às pistas, Regal Tight, do Stud Pedudu, e criação da Coudelaria Monte Parnaso, ausente das competições, desde setembro de 2021. E ontem, terça-feira, igualmente na abertura da reunião, Bebeto, baixou a biblioteca, e reapareceu em forma exuberante, Amor I Love You, do Stud Eterno Amor, e criado no Haras Santa Rita da Serra, sem correr desde agosto do ano passado, com triunfo expressivo também. Filho de peixe, peixinho é.

Joqueada da Semana

No dorso da potranca, Baluarte, de criação e propriedade do turfista, Eládio Mavignier Benevides, e treinamento caprichado de José Ferreira dos Reis, Bruno Queiroz, deu a melhor direção da semana. Ao perceber o ritmo alucinante imprimido pela estreante e favorita Loyalty Time, do Haras Sweet Carol, com Leandro Henrique, e a sua rival do retrospecto, Dany Dollar, montada por Jorge Ricardo, acomodou a sua pilotada no fundo do lote. Fez a curva por dentro, se aproximou aos poucos, deu partida curta, seca, e alcançou a conduzida pelo seu maior rival na estatística nos metros finais. Vale a pena mostrar o filme para os aprendizes da escolinha.

Personagem

Nos próximos meses vai ter correria de proprietários e treinadores atrás do jovem aprendiz, Dylan Silva Machado, para montar os seus cavalos. Irmão dos bons jóqueis, e atualmente, ambos fora do país, Luan Silva Machado, e Muriel Silva Machado, Dylan demonstrou precocidade. Dizem que um raio não cai duas vezes no mesmo lugar. No caso da família gaúcha, do clã Machado, isto está bem longe de ser verdade. No caso deles, o raio caiu três vezes no Sul do país. Precedida de enorme expectativa, por parte dos profissionais, a sua estreia aconteceu como havia sido prevista. Com produtividade e sucesso. Bom largador, sereno no percurso, e confiante, deu canseira na concorrência.

E, na noturna de terça-feira, mostrou personalidade nos instantes finais, cabeça a cabeça, na disputa entre a sua pilotada, Ostra Fresca, e One In A Life Time, com W. S. Cardoso. O experiente piloto encostou por fora, deitou, enfim, fez de tudo o que um bom jóquei pode fazer para derrotar um aprendiz. Dylan se defendeu, deu uma saída lícita, espécie de “chega para lá meu irmão. Aqui não leva no grito”. E, a Comissão de Corridas, acertadamente, confirmou a carreira. Vai dar trabalho a parceirada. Aprendiz de quarta categoria será só por uma semana. Agora, com descarga de três quilos, por alguns meses, e posteriormente, de dois, será tremenda encrenca para os rivais.

Duelo na Argentina

O brasileiro, Francisco Leandro, e o argentino, William Pereyra, têm protagonizado belo duelo pela liderança da estatística de jóqueis do turfe portenho, que engloba os dois hipódromos de Buenos Aires, Palermo e San Isidro, e o Hipódromo de La Plata, a pouco mais de uma hora da capital. No momento, o placar apresenta vantagem de 180 a 179, a favor do brasileiro. Mas, nas duas últimas semanas, este placar se altera, diariamente, para um lado ou outro. E, algumas vezes fica empatado. Leandro é tetracampeão da estatística e liderava com folga de 41 vitórias. Mas, um acidente de raia, lhe proporcionou fratura no ombro direito. Afastado das pistas por 1 mês e meio permitiu a recuperação do rival. Agora, Pereyra não parece disposto a amargar mais um vice-campeonato, o que aconteceu nas duas últimas temporadas. O ano hípico na Argentina só termina em dezembro.  (Raia Leve – Páreo Corrido, por Paulo Gama)

Comentar com o Facebook
error: O conteúdo está protegido.