José Serra volta a criticar a legalização dos jogos, mas deveria trabalhar para salvar seu foro privilegiado

Blog do Editor I 25.05.22

Por: Magno José

Compartilhe:
Análise: Artigo do senador José Serra tem dados antigos, equivocados e confusos
Segundo José Serra. quem defende o projeto no Congresso argumenta que parte da arrecadação tributária do jogo será destinada a financiar a saúde pública brasileira

Ao colunista Alberto Bombig (veja a nota abaixo), José Serra promete engajar no combate ao projeto de lei que legaliza os jogos no país, mas na verdade o senador por São Paulo deveria estar preocupado em obter um mandato para manter seu foro privilegiado.

O mandato de senador termina no final do ano e como sabe que não conseguiria se reeleger, Serra será candidato a deputado federal pelo PSDB nas eleições deste ano.

O presidente do PSDB, Bruno Araújo ofereceu ao ex-governador a estrutura de campanha com inserções televisivas diárias e mais recursos financeiros. A ideia de Araújo é que Serra seja um puxador de votos e consiga eleger cinco ou seis outros candidatos tucanos na Câmara.

Na verdade, Serra e os tucanos querem evitar a perda do foro privilegiado contra pendências com o judiciário.

Sobre a opinião do senador sobre a legalização

Não existe novidade na opinião do senador sobre a legalização do jogo no Brasil. José Serra repete as mesmas bobagens manifestadas em artigos veiculados na grande mídia e sempre baseados em informações do Século passado com equívocos e com dados mentirosos.

José Serra insiste em repetir dados da década de 90, mas o lado positivo é que as previsões do parlamentar manifestadas no primeiro artigo contrário a legalização dos jogos há 24 anos atrás não se viabilizaram.

José Serra, que é acusado de caixa dois, corrupção passiva e lavagem de dinheiro, não tem credibilidade para criticar a legalização dos jogos, mas achamos oportuno esclarecer as mentiras do parlamentar.

O detalhe sórdido desta história é que o senador José Serra poderá não votar o projeto de lei que legaliza os jogos no Brasil caso a votação fique para 2023.

***

Serra diz que dinheiro do jogo não trará ganho para a saúde

O senador José Serra (PSDB-SP), ex-ministro da Saúde, promete se engajar no combate ao projeto de lei que libera os jogos de azar no país. Ele quer usar seu capital político e administrativo nessa área para desmontar o discurso de que a aprovação do texto trará benefícios para o setor.

“Está óbvio que não há qualquer ganho para a saúde. No Reino Unido, estima-se que 430 mil pessoas maiores de 16 anos têm problemas com o jogo. Se somarmos os familiares, tem-se uma clara ideia da devastação provocada pelo jogo compulsivo”, diz o senador.

Quem defende o projeto no Congresso argumenta que parte da arrecadação tributária do jogo será destinada a financiar a saúde pública brasileira. Segundo Serra, que é referência no setor, trata-se de “pura falácia”. “Os argumentos econômicos e de saúde pública contra os jogos de azar nunca foram tão bem fundamentados cientificamente como atualmente”, diz Serra.

Segundo a Folha, parlamentares que apoiam o projeto de lei, muitos da base de apoio ao presidente Jair Bolsonaro, enxergam a possibilidade de que a proposta avance no Senado na “janela de oportunidade” que será aberta após as eleições deste ano. O texto foi aprovado pela Câmara dos Deputados em fevereiro deste ano.

O texto prevê a criação de uma contribuição para o piso dos enfermeiros, por exemplo, e para o financiamento de programas e ações na saúde pública. Na visão do senador e ex-ministro, porém, o projeto contém “absurdos”. Segundo ele, a tributação dos jogos de azar será apenas um terço da carga tributária da gasolina, por exemplo.

Serra foi ministro da Saúde no governo Fernando Henrique Cardoso. Na gestão dele à frente da pasta foram implementadas ações importantes e que alcançaram repercussão internacional, como a quebra de patentes de remédios e os mutirões para tratar doenças. Como governador de São Paulo, entre 2007 e 2010, Serra proibiu o cigarro em locais públicos. (Coluna do Alberto Bombig – UOL Notícias)

Comentar com o Facebook
error: O conteúdo está protegido.