Ganhador da loteria perde prêmio de 11 milhões de euros

Compartilhar
Diretor da loteria Toto-Lotto do estado de Baden-Württemberg, Georg Wacker informa que a estatal gostaria de pagar o prêmio
Muitos sonham com o que fariam se ganhassem a loteria, seja deixar o emprego ou velejar em direção ao pôr-do-sol num iate de luxo. Para um jogador ou jogadora da Alemanha, contudo, a chance de realizar tais fantasias expirou à meia-noite de 31 de dezembro de 2020, por não ter se apresentado com o bilhete que lhe daria direito a 11,3 milhões de euros (72,6 milhões de reais).
“Mesmo após uma longa busca, ainda desejaríamos sinceramente poder pagar o prêmio ao felizardo”, comentou nesta segunda-feira (04/01), à agência de notícias AFP, Georg Wacker, diretor da loteria estatal Toto-Lotto do estado de Baden-Württemberg.
Quem adquiriu o bilhete tinha três anos e meio para requerer a quantia, livre de impostos, sorteada em 1º de abril de 2017. Apesar de apelos regulares ao público, a pessoa nunca se apresentou. De acordo com o jornal Münchner Merkur, o bilhete foi comprado entre 29 de março e 1º de abril de 2017.
Três dias depois do sorteio, a loteria do estado de tuitou a informação, incluindo a provável localização do vencedor. A notícia certamente disparou a imaginação de alguns dos 116 mil habitantes da cidade de Reutlingen, próxima a Stuttgart, no sul da Alemanha.
O que acontece com a grana?
Como o bilhete foi comprado anonimamente numa lotérica, e não online ou por um assinante registrado, a empresa não tinha como contatar o ganhador. Para poder reclamar a quantia milionária, este teria que comparecer em pessoa e apresentar o bilhete físico com os números sorteados.
Segundo a lei alemã, o direito a um prêmio de loteria expira três anos após o fim do ano do sorteio. Como revelou Wacker à revista Der Spiegel, o dinheiro retornará aos cofres da loteria, a fim de ser sorteado em extrações futuras, seja em espécie ou na forma de automóveis.
O diretor da Toto-Lotto confirma não ser incomum prêmios deixarem de ser coletados, porém o caso é raro quando se trata de grandes ganhos. Isso “só acontece de anos em anos”, e Wacker nunca soube de uma quantia tão grande deixar de ser coletada na Alemanha. (Deutsche Welle – Alemanha)
Comentar com o Facebook