Ciro Gomes diz que é contra a legalização de jogos de azar

Destaque I 25.04.22

Por: Elaine Silva

Compartilhe:
No fim da entrevista, o ex-ministro foi provocado a se posicionar respondendo apenas “sim” ou “não” a diversos temas e manifestou-se contra a legalização dos jogos de azar

Pré-candidato do PDT à Presidência da República, o ex-ministro Ciro Gomes prometeu que, se eleito, irá revogar a reforma trabalhista aprovada em 2017 pelo ex-presidente Michel Temer, acabar com o teto de gastos, tirar o status de independência do Banco Central e demarcar todas as Terras Indígenas (TIs) pendentes de reconhecimento ou homologação. Os compromissos foram firmados na última quarta-feira (20), durante sabatina promovida pelo portal “Uol“.

No fim da entrevista, o ex-ministro foi provocado a se posicionar respondendo apenas “sim” ou “não” a diversos temas econômicos e sociais listados pelos entrevistadores. Foi quando afirmou a intenção de revogar a reforma trabalhista e a autonomia do BC, reafirmou intenção de abolir o teto de gastos e se manifestou contra a privatização da Petrobras, contra a legalização da maconha, contra a legalização de jogos de azar e contra a flexibilização do porte de armas.

O ex-ministro se recusou a dizer “sim” ou “não” sobre a legalização do aborto. Disse que o tema é uma tragédia pessoal, que ninguém pode ser a favor, mas não poderia simplificar o debate daquela forma.

O pré-candidato também foi questionado sobre temas considerados polêmicos. Leia as respostas:

  • Descriminalização do aborto: se negou a falar se era contra ou favor. Diz que o aborto é uma “grande tragédia”;
  • Legalização da maconha: contra;
  • Privatização da Petrobras: contra;
  • Independência do Banco Central: contra;
  • Continuidade do Auxilio Brasil: disse que virará outro programa;
  • Regulamentação da imprensa: disse “sim, o controle remoto multifuncional”;
  • Marco temporal: contra;
  • Taxação de grandes fortunas: a favor;
  • Derrubada do Teto de Gastos: contra;
  • Liberação de jogos de azar: contra;
  • Semipresidencialismo: contra;
  • Revogação da reforma trabalhista: a favor;
  • Cotas raciais: a favor;
  • Porte/posse de armas: contra;
  • Prisão em 2ª instancia: disse que qualquer condenado deve pagar a pena imediatamente;
  • Vai aceitar a lista tríplice do Ministério Público para Procurador da República: não.

***

“Eu nem sequer vou lutar contra, somente não tenho nenhuma simpatia pela causa”, Ciro Gomes

Em entrevista ao portal Sagres veiculada no YouTube no dia 3 de março, o pré-candidato à Presidência da República, o ex-ministro Ciro Gomes comentou sobre a legalização dos jogos.

Durante a entrevista, perguntado se é a favor da legalização dos jogos Ciro comenta que não é a favor, critica o Congresso pela prioridade em votar a proposta e não acredita que vai gerar emprego e renda. Cita que o único lugar que gera fluxo de turistas é Las Vegas, que transformou-se em um grande polo cultural com shows e entretenimento em todos os hotéis. Pontua que Atlantic City é uma decadência e que o cassino de Estoril vive vazio.

“Eu nem sequer vou lutar contra, somente não tenho nenhuma simpatia pela causa”, finaliza.

Visão do PDT

Reportagem da Carta Capital sobre o pensamento dos pré-candidatos à Presidência sobre legalização dos jogos de azar, registrou que no PDT, do presidenciável Ciro Gomes, a maioria dos parlamentares (15) foi a favor da liberação dos jogos. A bancada cearense, reduto de Ciro, foi majoritariamente a favor, mas também fez parte dos dez votos contrários. Procurado, ele não se manifestou. O presidente do partido, Carlos Lupi, afirma que o tema não é alvo de discussão interna na legenda e que não chegou a ser debatido com Ciro.

“Essa é uma questão de costumes, cada um vota conforme queira. Não tem questão ideológica. Nunca examinamos esse assunto em profundidade (com Ciro)”, afirmou Lupi.

Comentar com o Facebook
error: O conteúdo está protegido.