Concessões de jogos em Macau prolongadas até ao final deste ano

Cassino I 03.03.22

Por: Magno José

Compartilhe:
Concessões de jogos em Macau prolongadas até ao final deste ano
Lei Wai Nong confirmou que o Governo de Macau só irá avançar com um concurso público para atribuir novas concessões após os deputados terem aprovado a lei

Em Macau, capital mundial do jogo, existem três concessionárias, Sociedade de Jogos de Macau, Galaxy e Wynn, e três subconcessionárias, Venetian, MGM e Melco, cujas licenças deveriam terminar em 26 de junho.

Lei Wai Nong disse aos jornalistas que já informou as operadoras sobre quais os documentos que devem submeter para prolongar as licenças e que o processo poderá estar concluído antes de 26 de junho.

O secretário falava no final de uma reunião da comissão permanente da Assembleia Legislativa de Macau que está a discutir a nova proposta de lei da exploração de jogos de fortuna ou azar em casino.

Lei Wai Nong confirmou que o Governo de Macau só irá avançar com um concurso público para atribuir novas concessões após os deputados terem aprovado a lei.

O especialista do jogo Ben Lee disse à Lusa que as autoridades acreditam que irão precisar de mais do que os três meses que demorou em 2002, quando da liberalização do jogo, porque o setor se tornou um assunto sensível para o Partido Comunista Chinês.

“A justificação dada pelo governo às operadoras de cassinos foi que iriam precisar de mais tempo porque já tinham recebido um grande número de demonstrações de interesse”, disse o analista da consultora de jogo IGamix.

“Sei de um [potencial candidato] que é certo e ouvi dizer que há mais dois” grupos interessados em concorrer a novas concessões, revelou Ben Lee.

Devido ao impacto causado pela pandemia de Covid-19, os cassinos em Macau terminaram 2021 com receitas de 86,8 bilhões de patacas (9,5 bilhões de euros), uma quebra de 70,3% em relação a 2019.

Mas Ben Lee disse acreditar que, apesar do contexto de pandemia, Macau continua bem posicionada para continuar a ser “o maior mercado de jogo da Ásia”.

A longo prazo, acrescentou o analista, a maior ameaça vem da Tailândia, onde, em dezembro, a câmara baixa do parlamento criou um comité para avaliar as vantagens e desvantagens de permitir a abertura de cassinos.

O novo rei da Tailândia, Maha Vajiralongkorn, não é tão contra o jogo como o anterior e, em 2019, antes da pandemia, o país recebia muito mais turistas do que Macau, sublinhou Ben Lee.

Os deputados da Assembleia Legislativa têm questionado a proposta de lei, sobretudo o período de três ano para a regularização dos chamados ‘casinos-satélites’, que estão sob a alçada das concessionárias, mas que são operados por outras empresas.

O aumento da responsabilidade social das concessionárias e a limitação dos angariadores de apostas VIP, mais conhecidos como ‘junkets’, só poderem exercer a atividade numa concessionária foram também outras das questões levantadas pelos deputados. (Notícias ao Minuto)

Comentar com o Facebook
error: O conteúdo está protegido.