‘CPI manjada’: uca Kfouri critica CPI das Apostas Esportivas no Senado

Blog do Editor I 15.04.24

Por: Magno José

Compartilhe:

Integrante do Conselhão, presidente do Palmeiras adere à queixa contra tributação de apostas online 1

Sob o título ‘CPI manjada’, o jornalista Juka Kfouri revela em sua coluna veiculada na na Folha de S.Paulo deste domingo (14), que a CPI das Apostas Esportivas não será a primeira, nem provavelmente a última, nascida para vender dificuldades em troca de facilidades.

Já houve uma dos Bingos, em 2006, que virou uma festa de achaques de políticos a bingueiros e vice-versa, com participações de bicheiros, lavadores de dinheiro e parlamentares farejadores de dinheiro fácil.

A CPI das Apostas nasce com a mesma marca, entre outras razões porque desnecessária devido ao bom trabalho que o Ministério Público de Goiás tem feito para desvendar e punir os esquemas de manipulação de resultados.

Achar um cidadão decente entre os lobistas da jogatina, os donos das bancas e os que prometem investigá-los é missão para Diógenes e sua lanterna sempre acesa durante o dia em Atenas, à procura de um homem avesso à ganância.

Como as bruxas, que os há, os há.

Encontrá-los no ambiente da CPI recém-instalada é que são elas.

Porque é mais uma fadada a dar em nada, a não ser para seus protagonistas, entre investigadores e investigados.

Melhor seria a CPI dos falsos pastores, ou, quem sabe, a dos impostores que falsificam o verdadeiro sentido da liberdade de expressão e encontram apoio em senadores como o vice-presidente da CPI das Apostas, “My name is Eduardo Girão”, o bolsonarista que presidiu o Fortaleza e que quer nos convencer de que investigará seus pares.

Romário, tão oportunista na política como era na área, será o relator.

 

Comentar com o Facebook