Curaçao vai reformular regime com novo regulador, barras mais altas para entrada

Apostas, Destaque I 12.07.22

Por: Magno José

Compartilhe:
Atualmente, apenas quatro empresas são licenciadas pelo governo. Cada um deles oferece suas próprias licenças em seus próprios termos, o que significa que entidades privadas, e não o governo, detinham o controle mais prático do licenciamento

O regime de licenciamento da ilha era notável por seu sistema extremamente liberal e baixas barreiras à entrada com pouco escrutínio para os operadores, mas o governo pretende mudar isso.

Atualmente, apenas quatro empresas são licenciadas pelo governo. Cada um deles oferece suas próprias licenças em seus próprios termos, o que significa que entidades privadas, e não o governo, detinham o controle mais prático do licenciamento.

Isso será drasticamente alterado sob um novo projeto de lei que foi aprovado pelo Conselho de Ministros de Curaçao, parte de uma revisão da regulamentação do jogo na ilha.

Um novo sistema será instalado, com licenças para operadores B2C e fornecedores B2B emitidas pela Curaçao Gaming Authority (CGA), um órgão independente criado pelo governo.

As licenças virão com taxas, pois o governo tenta aumentar sua receita direta do setor de jogos de azar.

Mario Galea, ex-diretor executivo da Malta Gaming Authority que trabalhou como consultor no processo, disse que os operadores B2C deverão pagar uma taxa de solicitação de licença de cerca de 4 mil euros, seguida de uma taxa de licença de cerca de 12 mil euros por ano e uma taxa de licenciamento de cerca de 12 mil euros por ano. Taxa regulatória de 250 euros por mês por URL.

No curto prazo, todos os sublicenciados existentes serão “adquiridos” no novo sistema, com a oportunidade de converter sua sublicença em uma licença transitória que durará 12 meses. O governo já começou a registrar todos os sublicenciados existentes, com apenas aqueles que se registraram elegíveis para conversão para uma licença transitória.

A nova licença trará consigo controles adicionais. Além de medidas aprimoradas de lavagem de dinheiro, os licenciados também serão obrigados a ter pelo menos três funcionários contratados em “posições-chave” trabalhando na ilha.

Gibraltar

Gibraltar, outro ponto de fornecimento popular para operadores internacionais, introduziu um novo Gambling Act este ano, focado em garantir uma presença local mais forte para os licenciados, embora incluísse menos detalhes sobre o que uma presença local implicaria.

O ministro das Finanças, Javier Silvania, disse ao iGB que – após o período de transição – alguns operadores podem ser forçados a sair, mas que ele “não tem problema” com isso.

Além disso, Galea disse que a existência de uma verdadeira autoridade de licenciamento – com poder para revogar licenças, se necessário – significaria uma capacidade muito maior de fazer cumprir as leis existentes.

Além de ter poder de licenciamento e fiscalização, a CGA também pode celebrar acordos de cooperação com outros reguladores. Esses acordos geralmente existem na Europa como uma tentativa de impedir que os operadores visem uma jurisdição de outra, e Galea observou que eles podem eventualmente ser usados para tomar medidas contra aqueles que fazem negócios em certos mercados regulamentados localmente.

Não haverá regras específicas que limitem diretamente a capacidade dos operadores de atingir mercados específicos, com Galea apontando que a responsabilidade final por essa decisão caberia ao operador.

No entanto, ele também disse que a Europa – onde a repressão às operadoras offshore tem sido mais forte – não é atualmente o principal mercado para a maioria dos licenciados baseados em Curaçao, e que a ilha é mais uma porta de entrada para o resto do mundo e a América Latina em especial.

O novo sistema surgiu devido a uma combinação de influência do governo holandês – já que Curaçao é um país constituinte do Reino dos Países Baixos – e trabalho do governo de Curaçao, que colocou o foco na mudança do regime de jogo a partir da formação de Gilmar segundo governo de Pisas no ano passado.

“Eu formei a equipe que redigiu o projeto de lei, mas os funcionários públicos holandeses estão lendo e dando conselhos”, disse Silvania. “Este é o valor agregado de fazer parte do Reino dos Países Baixos; tem mais capacidade e mais experiência.”

Em particular, o governo holandês disse estar preocupado com as operadoras sediadas em Curaçao visando mercados regulamentados, incluindo suas próprias costas. Após relatos da mídia sobre o setor de Curaçao em 2021, Sander Dekker, Ministro de Proteção Legal da Holanda na época, prometeu ao parlamento que haveria mudanças na forma como os negócios eram feitos em Curaçao.

Aprovado pelo governo, o projeto seguirá para a fase de consulta antes de seguir para o legislativo.

“O Conselho de Ministros já aprovou o projeto de lei que será apresentado aos órgãos consultivos, que podem fazer ajustes, depois levado ao Parlamento e esperamos que seja aprovado até o final do ano”, disse Silvania.

Galea disse que grandes mudanças no projeto de lei neste momento, porém, serão “altamente improváveis”. (iGaming Business – Daniel O’Boyle)

Comentar com o Facebook
error: O conteúdo está protegido.