Debate sobre votação no Senado avança, mas votação em junho é incerta

Blog do Editor I 01.06.22

Por: Magno José

Compartilhe:
Aprovada na Câmara, legalização dos jogos estaciona no Senado
Apesar do debate favorável como o da reportagem do O Globo, o ambiente político provocado pelas eleições não favorece que a proposta seja votada antes do recesso

A positiva reportagem do O Globo desta quarta-feira (1º) sinaliza que existem parlamentares que estão atuando politicamente para que o PL 442/91 seja votado ainda no mês de junho. A janela de oportunidade está vinculada a criação de fonte de recursos alternativa para garantir o reajuste do piso salarial dos profissionais da enfermagem.

“Temos uma chance gigante de votarmos em junho”, comentou um parlamentar com o BNL na manhã desta quarta-feira, respondendo o compartilhamento da reportagem do O Globo pelo Whatsapp.

Serão seis semanas até o recesso parlamentar que começa no dia 17 de julho, mas o problema é que daqui para frente, senadores e deputados começam a tirar o pé do acelerador para cuidar de suas reeleições nos estados, diminuindo o ritmo das votações. Em entrevista ao O Globo, um líder governista do Senado admite, em caráter reservado, que se as propostas mais polêmicas não forem aprovadas até o início de julho, dificilmente serão analisadas no semestre, quando a atenção estará voltada às eleições.

Frente parlamentar contrária tem adesão de Mara Gabrilli

Os parlamentares defensores da proposta apostavam no crescimento da oposição à legalização jogos através da aprovação do PL 442/91 no Senado, exatamente pelo fato da Casa ser mais conservadora e com mais senadores evangélicos, mas na prática este movimento não conseguiu a adesão preconizada pelas lideranças do lobby para manter o jogo na ilegalidade.

Lançada no dia 28 de abril, a Frente Parlamentar por um Brasil sem Jogos de Azar, formada por senadores contrários a liberação do tema pelo Congresso tem apenas seis membros: José Serra (PSDB-SP), Eduardo Girão (Podemos-CE), Jorge Kajuru (Podemos-GO) Mailza Gomes (PP/AC) (suplente do senador Gladson Cameli) e Eliziane Gama (CIDADANIA/MA). Na semana passada ganhou a adesão da senadora Mara Gabrilli (PSDB-SP).

Pelo visto, os parlamentares que vão disputar novos mandatos não querem desagradar nem os favoráveis e nem os contrários a liberação de cassino, bingos, jogo do bicho e jogo online.

Após as eleições

Apesar do debate favorável, o ambiente político provocado pelas eleições não favorece que a proposta seja votada antes do recesso, mas vai ajudar que a proposta seja votada e aprovada após as eleições.

Aprovada na Câmara, legalização dos jogos estaciona no Senado

Comentar com o Facebook
error: O conteúdo está protegido.