Deputado Bacelar quer liberar jogos de azar

Compartilhar
Em entrevista ao portal BNews de Salvador, o Deputado Bacelar quer discutir a liberação dos jogos, como incentivo ao setor turístico e que os recursos sejam destinados para segurança

O deputado federal baiano Bacelar (Podemos) tem se dedicado na Câmara a regularizar os “jogos de azar” no Brasil. Desde que foi eleito presidente da Comissão de Turismo na Câmara dos Deputados, o parlamentar quer discutir a liberação, como incentivo ao setor turístico.

Na entrevista, que faz parte de uma série de conversas com os parlamentares baianos eleitos para presidirem comissões no Congresso Nacional, Bacelar elogiou o ex-presidente Lula (PT) como cabo eleitoral para 2022 e disse estar satisfeito com o espaço que seu partido tem no governo Rui Costa (PT).

Confira abaixo os principais trechos da entrevista com o deputado Bacelar (Podemos) sobre turismo e legalização dos jogos e a parte política pode ser conferida no Portal BNews:

BNews: Quais as prioridades da Comissão de Turismo neste momento?

Bacelar: O meu plano de trabalho na Comissão de Turismo primeiro é desempenhar esse trabalho de atender do ponto de vista legislativo as demandas do setor. Essa é a característica da comissão. A gente quer, num primeiro momento, desempenhar esse polo institucional que ela tem, mas também quero transformar a comissão num grande centro de debates do turismo brasileiro. Transformar a comissão num catalisador do esforço pioneiro de desenvolvimento do turismo brasileiro. É o setor que foi mais afetado na pandemia, o primeiro a ter as atividades afetadas, e não temos perspectiva de quando serão retomadas.

BNews: Qual sua avaliação sobre o ministro Gilson Machado?

Bacelar: Olha, agora que estou tendo os primeiros contatos com ele. Tem se mostrado solícito, interessado numa parceria com a comissão. Estou querendo cada vez mais estreitar a relação com o Ministério do Turismo. Não tenho ainda detalhes pra fazer análise do trabalho dele. Agora, nós estamos falando do segundo setor econômico mais importante do Brasil. O turismo brasileiro movimentava em 2019 cerca de R$ 270,8 bilhões, 10% do PIB brasileiro, praticamente. Depois do agronegócio, o mais importante da economia brasileira.

BNews: O senhor apresentou projeto para regularizar os “jogos de azar”. A Câmara tem dado atenção ao tema?

Bacelar: As pesquisas que temos feito na Câmara – sou presidente da frente parlamentar sobre os jogos de azar – apontam que mais de 50% dos deputados são favoráveis à liberação. O que precisamos é de uma decisão política, corajosa. Eu respeito a religião de cada um, mas nenhum pastor, bispo ou cardeal pode dizer o que a sociedade pode fazer. Ele pode dizer aos seus segmentos, mas não é bispo nem padre nem pastor que vai dizer o que a sociedade deve fazer. Cinco mil anos antes de Cristo, o ser humano já jogava.

BNews: E como a liberação dos jogos de azar contribuiria para o fomento do turismo?

Bacelar: Jogo não atrai turista. Ninguém vai a Portugal jogar, ninguém vai a Paris jogar, ninguém vai a Roma jogar, mas o jogo “prende” o turista. O turista que chega em Portugal, não vai exclusivamente jogar, mas passa pelo jogo. A importância na legalização do jogo é você ter recursos para, por exemplo, financiar um assunto que é da mais alta relevância para o turismo. O fortalecimento da marca “Brasil”. A marca Brasil hoje é altamente desprezada no mundo. Os jogos de azar vão dar o dinheiro pra mudar essa imagem.

BNews: Mas esse dinheiro não necessariamente seria destinado para o turismo. A destinação dos recursos é outra discussão.

Bacelar: Mas, de qualquer maneira, mesmo que esse dinheiro não venha pro turismo, como eu defendo, vai pra segurança, que melhora o turismo, saneamento, que melhora o turismo.

Comentar com o Facebook