Gigante dos cassinos de Macau joga suas fichas no Brasil

Destaque I 15.03.22

Por: Magno José

Compartilhe:
Gigante dos cassinos de Macau joga suas fichas no Brasil
Nota do ‘Relatório Reservado’ informa que representantes do SJM Resorts de Macau, comandada por Daisy Ho, está dialogando com ministros do governo e parlamentares para instalar um resort integrado no Nordeste

A julgar pela operação de lobby montada em Brasília, há um forte candidato a puxar os investimentos em cassinos no Brasil: a SJM Resorts, um dos “Big Six” de Macau – leia-se os seis grandes grupos autorizados pelo governo da China a operar apostas na região, revela o Relatório Reservado nesta terça-feira (15). Nas últimas semanas, segundo o RR apurou, representantes do conglomerado asiático têm mantido uma agenda de contatos com autoridades brasileiras. De acordo com a mesma fonte, entre os interlocutores estariam o ministro Ciro Nogueira e o “02 Eduardo Bolsonaro, dois dos principais defensores da liberação do jogo o Brasil. A SJM já teria manifestado o interesse de instalar um resort/cassino no Nordeste, na esteira da aprovação, pela Câmara, do projeto de lei que legaliza jogos de azar no país – falta ainda o Senado cacifar a proposta, e Bolsonaro não vetar.

Em tempo: nas conversas que têm mantido em Brasília, os asiáticos acenam também com patrocínios a clubes de futebol, em uma estratégia similar à adotada por sites de apostas eletrônicas.

A SJM é comandada por Daisy Ho, uma das herdeiras de Stanley Ho Hung-Sun. Morto em 2020, aos 99 anos, Ho foi um dos maiores e mais influentes empresários do ramo de apostas na Ásia. O Brasil desponta como um oportuno mercado especialmente para os grupos de apostas de Macau, que vivem um período turbulento do ponto de vista regulatório. O governo local estuda uma série de normas para apertar a fiscalização sobre os jogos de azar. Não por acaso, as ações dos grandes conglomerados de resorts e cassinos da região têm caído seguidamente. O valor de mercado da SJM, por exemplo, despencou 40% somente nos últimos seis meses.

Comentar com o Facebook
error: O conteúdo está protegido.