Justiça inocenta envolvido em CPI no RS.

Compartilhar

O personagem central da investigação sobre o suposto envolvimento da gestão petista no Rio Grande do Sul e o jogo do bicho teve uma vitória judicial ontem.
O presidente do Clube de Seguros da Cidadania, Diógenes de Oliveira, foi absolvido em primeira instância da acusação de estelionato, conforme decisão do juiz Umberto Guaspari Sudbrack, da 6ª Vara Criminal de Porto Alegre.
Oliveira ainda responde por falsidade ideológica. Com outras nove pessoas, teria forjado declarações de empréstimos à entidade para justificar a origem do dinheiro usado na compra do prédio que servia de sede para o PT.
O clube é uma entidade criada por petistas para captar recursos para o partido e suas campanhas eleitorais, além de nominalmente aplicar em obras sociais. Durante as investigações da CPI da Segurança Pública na Assembléia gaúcha, em 2001, foi apresentada uma gravação na qual Oliveira pede ao então chefe de polícia, Luiz Fernando Tubino, para “”aliviar” no combate aos bicheiros. Oliveira disse estar agindo em nome do governador Olívio Dutra (PT), sem o conhecimento do petista.
Sudbrack chegou à sentença levando em consideração que nenhum dos doadores de recursos para Oliveira, ao depor, disse se sentir enganado ou ludibriado. Além disso, nenhum dos contribuintes acionou Oliveira.
O relator da CPI, Vieira da Cunha (PDT), que havia indiciado Oliveira, concluiu que ele arrecadou R$ 247,7 mil para supostos projetos sociais, mas usou o dinheiro para comprar o prédio cedido em comodato ao PT.
A CPI examinou a suspeita de o negócio ter sido realizado com recursos do jogo do bicho. Cunha se disse ontem “”surpreso e inconformado” com a decisão. Contra Olívio, segue uma investigação por acusação de improbidade administrativa e de crime de responsabilidade no Superior Tribunal de Justiça.
Agência Folha, em Porto Alrgre – Léo Gerchmann

Comentar com o Facebook

Deixe uma resposta