Las Vegas Sands impulsionado por Cingapura

Cassino I 14.07.22

Por: Elaine Silva

Compartilhe:
G2E Asia 2022 vai para Cingapura
A capacidade de geração de receita do Marina Bay Sands deve crescer ainda mais, com o fluxo de caixa aumentando 14% este ano e 7% em 2023 com o retorno dos visitantes

Em uma nota de investidor sobre Las Vegas Sands, o analista do JP Morgan Joseph Greff enfatizou a força da recuperação da empresa em Cingapura, lar do Marina Bay Sands. No entanto, devido principalmente à fraqueza do mercado de Macau, ele baixou o preço-alvo das ações da LVS de US$ 46 por ação para US$ 42, embora tenha permitido que a situação macaense “não seja surpreendente para os investidores”.

Greff prevê uma melhoria contínua no tráfego, receita e fluxo de caixa no Marina Bay Sands “dado o impulso de massa premium com a flexibilização das viagens e os benefícios da estrutura de viagens vacinadas de Cingapura. Prevemos que os resultados do 2º Trimestre de 2022 (2T22) provavelmente provarão isso. “Dito isso, ele observou que poucos estão prestando atenção às ações ou considerando essas métricas positivas em sua avaliação.

Cingapura cresceu para metade da capitalização de mercado da Sands.

“Nossa sensação é que quando apontamos isso para os investidores, eles ficam surpresos que seja tão alto e a percepção geral é que Macau é a maioria do valor patrimonial atual (e foi no passado quando Macau estava em seus períodos de forte desempenho pré-pandemia).”

Com novos hotéis, convenções e locais para apresentações ao vivo a serem implementados nos próximos quatro anos, a capacidade de geração de receita do Marina Bay Sands deve crescer ainda mais, com o fluxo de caixa aumentando 14% este ano e 7% em 2023 com o retorno dos visitantes.

Em Macau, Greff está convencido de que os potenciais compradores de LVS tiveram as suas expectativas “desbotadas (e já há algum tempo) e que as expectativas são para a continuação de tendências suaves na visitação da China a Macau até ao final do ano (na medida em que os investidores estão prestando atenção e/ou mesmo se preocupando com Macau).”

Ele não espera recuperação na economia de cassinos do enclave até 2023, se então, chamando a receita do segundo trimestre de 2022 de “desanimadora” e esperando mais do mesmo no terceiro trimestre, uma mera sombra (12%) dos níveis pré-pandemia. O jogo VIP está quase extinto – 6% dos níveis de 2019 – enquanto o pão com manteiga do Sands, o jogo de mercado de massa, era 17% do que era há três anos.

O pessimismo de Greff é impulsionado pela quase impossibilidade de prever as medidas anti-Covid do governo chinês, que tendem a sufocar o turismo macaense. (Por outro lado, o CEO da Sands, Rob Goldstein, continua a prever que Macau voltará maior do que nunca.) Em comparação com a “marés atual” na China, Greff vê o mercado de Cingapura como “subvalorizado” pelos investidores. Concluiu informando que o regulamento da concorrência para as concessões dos cassinos macaenses foi promulgado (bem atrasado).

Sands não precisa se preocupar, de acordo com Greff. “Espera-se que as seis operadoras de jogos incumbentes façam ofertas e prevemos receber novas licenças. Incluído nos critérios, os planos para diversificar as bases de clientes (de novos mercados) devem ter um peso maior com novas licenças concedidas até o final do ano.”

Todas as seis concessionárias de Macau estenderam seus contratos com o enclave até a véspera de Ano Novo e não devem faltar se a renovação esperada ocorrer dentro do prazo. (CDC Gaming Reports – David McKee)

Comentar com o Facebook
error: O conteúdo está protegido.