Morre Luizinho Drumond, presidente de honra da Imperatriz

Personalidades do carnaval homenageiam Luizinho Drumond, presidente da Imperatriz Leopoldinense. Através de redes sociais, outras escolas também lamentaram a morte do patrono da Verde e Branco de Ramos

Compartilhar
A página da Imperatriz Leopoldinense no Instagram prestou homenagem ao presidente de honra da Verde e Branco de Ramos: “A dor é grande, mas o teu legado, Luiz Pacheco Drumond, fica para a eternidade. Para sempre lembraremos deste homem forte e leal”.

O presidente de honra da Imperatriz Leopoldinense, Luizinho Drummond, morreu na manhã desta terça-feira (30), no Rio de Janeiro, aos 80 anos. Drumond tinha um aneurisma cerebral e sofreu o AVC em Cachoeiras de Macacu, na Região Serrana. De lá, foi levado de helicóptero para o Hospital Copa Star, em Copacabana.

Luizinho assumiu o comando da Imperatriz em 1976 e desde 2007, era o presidente de honra da escola. Ele também dirigiu a Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa) de 1998 a 2001.

Em nota, a Imperatriz Leopoldinense lamentou a morte do seu patrono. “A família Drumond, com muito pesar, comunica o falecimento da pessoa mais forte que conhecemos: nosso presidente e patrono, *Luiz Pacheco Drumond*, Luizinho Drumond, como gostava de ser chamado. Hoje a Imperatriz chora, o mundo do samba chora e todo sambista chora. Que Deus receba nosso Patrono de braços abertos e que ele cuide de nós, como sempre fez em vida, onde quer que esteja”.

Luizinho Drumond era presidente da escola desde 2007. Antes, já havia ocupado o cargo por duas vezes (1976–1983 e 1986–1992) e também já foi presidente da Liesa.

Luizinho é uma das figuras mais folclóricas do carnaval carioca. Comandou a Liesa de 1998 a 2001 e presidente de honra da Imperatriz. Sob seu comando, a verde e branco de Ramos, Zona Norte do Rio, conquistou um tricampeonato (1999, 2000 e 2001). Ele estaria presente numa reunião marcada para esta quarta-feira para discutir os rumos do carnaval diante da pandemia do novo coronavírus.

Luizinho Drumond durante desfile da Imperatriz Leopoldinense

Personalidades do carnaval homenageiam presidente da Imperatriz

O presidente da Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa), Jorge Castanheira ressaltou a convivência de quase 40 anos com Luizinho e ressaltou que esta é uma perda irreparável para o mundo carnavalesco:

“A gente fica até meio sem palavras para falar de uma pessoa de tamanha importância para o carnaval e para Liesa, um sócio grande benemérito que foi presidente de 1999 até 2001. Era um grande conselheiro. Sempre ajudou o carnaval e ajudava não só a Imperatriz como outras escolas porque ele foi Império antes de ser Imperatriz. Todo mundo que batia a porta dele, ele ajudava”, comentou em entrevista ao Extra.

Gabriel David, que é um dos diretores da Beija-Flor e filho de Anísio Abrahão David, presidente de honra da agremiação de Nilópolis, destacou a amizade que teve com Luzinho e com sua família e a sua importância para a evolução dos desfiles carnavalescos na cidade:

“A gente lamenta muito, era uma pessoa muito querida e a gente não esperava esse fim. Até para mim, que sou jovem no carnaval, a gente consegue enxergar tudo o que ele fez para esse crescimento do carnaval desde os anos 1980. Acho que o mundo inteiro do carnaval está de luto”, lamentou o dirigente em entrevista ao O Globo.

Carnaval e contravenção

Luizinho Drumond também foi um dos nomes no controle do Jogo do Bicho na cidade. Responsável pela contravenção na Zona da Leopoldina, ele chegou a ser preso em 1993, junto da cúpula do Jogo do Bicho do Rio, em processo formulado pela juíza Denise Frossard em que foi condenado a seis anos. Porém, foi solto em 1995 após ter a pena extinta em um indulto de natal.

Jogo do bicho

“Fui bicheiro em algumas épocas. Hoje estou aposentado. Não tenho sucessor. Minha infância foi muito boa. Estudei até a quarta série e fui trabalhar. Fiquei desempregado e trabalhava com corrida de cavalo. Esse negócio que vai liberar o jogo é antigo. Acho que não vão liberar. Se o jogo do bicho tivesse esse poder todo não aconteceria as prisões. Centenas de brasileiros vão lá fora jogar. O povo brasileiro não tem condição de participar da jogatina. Você não vai entrar no cassino e jogar R$ 10. O jogo do bicho é mais barato”, comentou Luizinho Drumond em entrevista à Rádio FM O Dia, em 2016. (Com informações do O Globo, Carnavalesco e Rádio O Dia)

***

Confira no G1: ‘Homenagens das agremiações’

Através de redes sociais, outras escolas também lamentaram a morte do patrono da Imperatriz.

Comentar com o Facebook

Deixe uma resposta