Novo presidente filipino terá que enfrentar vários problemas relacionados a jogos

Cassino I 12.05.22

Por: Elaine Silva

Compartilhe:
O recém-eleito presidente Ferdinand Marcos Jr enfrentará uma série de questões relacionadas à indústria de games que precisam ser resolvidas nos próximos meses

Tudo indica que o novo presidente das Filipinas será Ferdinand Marcos Jr., que teria ultrapassado os 27,5 milhões de votos necessários para obter a maioria. Assim que assumir o cargo, Marcos Jr terá que tratar de diversos assuntos relacionados à indústria de games.

Antes de tudo, ele terá que decidir o futuro das operações de e-sabong, que foram finalmente suspensas pelo presidente Rodrigo Duterte após preocupações levantadas pelos senadores.

Em março, 23 senadores assinaram a Resolução nº 996 pedindo a suspensão do e-sabong após o desaparecimento de 31 pessoas ligadas ao setor. Inicialmente, Duterte defendeu o e-sabong argumentando que era necessário para a economia por falta de fundos como resultado da pandemia de Covid-19. No entanto, ele finalmente cedeu e disse que o e-sabong estava “trabalhando contra nossos valores”.

A decisão coloca as expectativas de receita do PAGCOR em dúvida, já que o presidente do regulador, Andrea Domingo, havia dito anteriormente que o PAGCOR poderia levantar cerca de 7,2 bilhões de dólares para 8 bilhões de dólares se o e-sabong continuasse a operar até o final de 2022.

O novo presidente das Filipinas também terá que analisar o desenvolvimento do sistema Philippine Inland Gaming Operator (PIGO) que permite que as operadoras ofereçam serviços de jogos para jogadores dentro do país. E, finalmente, Marcos Jr terá que decidir se vai adiante com um projeto para transformar a ilha de Boracay em um destino de jogos.

Em dezembro passado, a Philippine Amusement and Gaming Corp (PAGCOR) anunciou a abertura do Grand Imperial, um novo cassino em Barangay Taboc. No entanto, o anúncio não foi bem recebido pela igreja católica local, pois a Arquidiocese de Cagayan de Oro publicou uma carta aberta, assinada pelo arcebispo José Cabantan, contra a abertura.

Sete bispos e um administrador diocesano da Igreja Católica também emitiram uma declaração contra o plano do presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, de permitir o jogo em Boracay. Eles disseram que permitir o jogo “destruiria os valores, a cultura e a vida da comunidade”. (Focus Gaming News)

Comentar com o Facebook