Rainha Janelle Monae, a sexta Tríplice Coroada do turfe carioca

Compartilhar
Agora, Janelle Monae entrou na seleta lista de fêmeas Tríplices Coroadas no Hipódromo da Gávea, sendo a sexta a conseguir o feito (Foto: Sylvio Rondinelli/JCB)

Fechando de maneira épica a batalha começada em 07 de fevereiro, com a vitória no GP Henrique Possolo (G1), e que passou pela glória do GP Diana (G1), em 14 de março, Janelle Monae escreveu para sempre seu nome na história com o triunfo no Grande Prêmio Zélia Gonzaga Peixoto de Castro (G1) e a conquista da Tríplice Coroa de Potrancas no Hipódromo da Gávea, no domingo, 11 de abril de 2021.

Agora, Janelle Monae entrou na seleta lista de fêmeas Tríplices Coroadas no Hipódromo da Gávea, sendo a sexta a conseguir o feito. Antes, foram: Indian Chris (1991); Virginie (1998); Be Fair (2000); Old Tune (2012); e No Regrets (2017).

Mais uma vez o amor de Afonso Burlamaqui pelo PSI acabou recompensado com a glória de criar uma craque, invicta e Tríplice Coroada. Em 1970, quando começou sua criação já sabia que o DNA do Haras Santa Rita da Serra seria o amor e o respeito incondicional ao cavalo e aos profissionais. Janelle Monae é fruto de tudo isso. Parabéns!

Se em 2020 a dupla Luiz Esteves e Henderson Fernandes ficou no quase, com Mais Que Bonita – perdeu a etapa decisiva para Tanganyka – , este ano não bateu na trave. Janelle Monae é fantástica, mas os dois profissionais colaboraram em muito com o feito, Esteves mantendo-a em forma soberba, e Fernandes com direções precisas e eficientes.

I Believe In Magic assumiu o comando das ações após a boa largada. Joatinga, Zarabatana e Janelle Monae eram as próximas. Idle Ways, Non Merci, Reza a Lenda, Costa Azzurra, Olympic Karen, The Sister, Zanda e Olympic Karen vinham depois. Joatinga cumprindo seu papel, acelerou o train de carreira e tomou a ponta de I Believe In Magic na reta oposta. Em quarto, Janelle Monae aguardava a hora certa para a glória.

I Believe In Magic retomou a dianteira no começo da reta final. Zarabatana veio na sua esteira. Aberta, Janelle Monae melhorava progressivamente. Quando Zarabatana tomou o primeiro lugar de I Believe In Magic, Janelle Monae apresentou-se, majestosamente. Como uma verdadeira Rainha, a invicta Janelle Monae passou para primeiro e galopou imponente para colocar seu nome para sempre na rica história do turfe brasileiro. Zarabatana formou a dupla, em performance admirável. Non Merci terminou em terceiro, com Idle Ways e The Sister empatadas na quarta posição.

Janelle Monae é uma 3 anos, filha de Agnes Gold e Just Lucky, por Spend A Buck. Em sua quarta atuação, conquistou sua quarta vitória, sendo a terceira de G1, a castanha completou os 2.400 metros, em 2min25s47. (JCB)

Comentar com o Facebook