“Receita zero”: cassinos de Macau tentam se reerguer pós-pandemia

Cassino I 21.07.22

Por: Magno José

Compartilhe:
A rasteira de Jair Bolsonaro na Damares Alves
Macau, um pequeno território de cerca de 600 mil pessoas, é o único lugar na China onde o jogo é legal

Os cassinos de Macau têm sangrado centenas de milhões de dólares por mês durante a pandemia. Agora, um bloqueio prolongado está adicionando mais incerteza para os jogadores no maior centro de jogos de azar do mundo.

Desde a semana passada, Macau está sob estritas ordens de ficar em casa, pois enfrenta um aumento nos casos de coronavírus.

Macau, ex-colônia portuguesa que agora é governada pela China, está sujeita à política de “zero Covid” de Pequim, que visa eliminar todos os vestígios do vírus dentro de suas fronteiras.

As últimas restrições de Macau deveriam durar uma semana, mas depois foram estendidas por mais uma semana – terminando na sexta-feira.

Em um movimento raro, as autoridades disseram que os cassinos fariam parte do fechamento, marcando uma reversão das medidas anteriores que mantinham essas propriedades abertas.

Isso significa que a receita bruta de jogos, um importante indicador da renda dos cassinos, provavelmente “cairá perto de zero” por semanas, escreveu Vitaly Umansky, analista sênior da Bernstein, em um relatório.

Sua equipe prevê que a receita bruta de jogos cairá 98% este mês em comparação com julho de 2019 – antes da pandemia – assumindo que os cassinos retomem a operação na próxima semana.

O jogo é, de longe, a indústria mais importante de Macau, representando um emprego massivo e mais de 80% das receitas do governo.

Mas cassinos como Wynn, MGM e Sands foram atingidos pelos efeitos da pandemia, que deixou as fronteiras da cidade praticamente fechadas por mais de dois anos.

As principais ações de cassinos negociadas em Hong Kong – como Sands China, Wynn Macau e MGM China – caíram aproximadamente 60% ou mais desde o início de 2020.

Mesmo antes das últimas restrições, as empresas estavam perdendo dinheiro. Em 2020, no início da crise global da saúde, o Wynn divulgou que estava perdendo até US$ 2,6 milhões por dia.

Nesta primavera, a indústria de jogos mais ampla em Macau teria queimado cerca de US$ 113 milhões a US$ 260 milhões por mês, de acordo com uma análise do Goldman Sachs.

“Está muito quieto aqui”, disse Ben Lee, sócio-gerente da IGamiX, uma consultoria de jogos com sede em Macau, acrescentando que as pequenas empresas locais foram praticamente lidadas com “a sentença de morte” pelo novo bloqueio.

A força econômica da cidade

Macau, um pequeno território de cerca de 600 mil pessoas, é o único lugar na China onde o jogo é legal.

A cidade, que fica a uma hora de balsa de Hong Kong, depende muito dos turistas e normalmente fatura seis vezes mais do que Las Vegas. Em 2019, atraiu quase 40 milhões de visitantes, incluindo muitos da China continental.

Houve pedidos para mudar esse modelo. Em janeiro, o Fundo Monetário Internacional alertou para a “dependência excessiva de Macau no setor de jogos”, que disse ter sido enfatizado durante a pandemia.

“O principal motor de crescimento nas últimas duas décadas… quase parou quando o fluxo de turistas secou”, observou, sugerindo uma “necessidade urgente de diversificar a economia”.

O setor é tão crucial que às vezes até parecia imune às regras do “zero Covid”. Em bloqueios anteriores, as autoridades se abstiveram notavelmente de fechar as propriedades chamativas, mesmo que isso significasse que os trabalhadores teriam que se sentar em cassinos vazios “matando moscas”, disse Lee.

A última vez que os cassinos foram obrigados a fechar foi por duas semanas no início de 2020.

“O governo de Macau tem sido muito relutante em fechar os cassinos, mesmo quando todas as outras atividades comerciais foram instruídas a fechar”, acrescentou. “Por quê? Porque o pessoal ainda pode sacar os salários.”

Agora, as autoridades enfrentam mais pressão para se alinharem à postura dura da China em relação ao vírus, principalmente porque Macau enfrenta seu maior surto de Covid desde o início da pandemia.

A cidade registrou aproximadamente 2.000 novos casos desde junho, quando o último surto encerrou uma sequência de oito meses de zero infecções.

Outro fator que pesa sobre as empresas ultimamente é que as autoridades deixaram claro aos cassinos que não devem demitir trabalhadores, de acordo com Lee.

Embora o decreto não oficial tenha ajudado a proteger os meios de subsistência das pessoas, ele exacerbou a pressão financeira sobre as empresas. A mão de obra normalmente responde por 20% a 25% dos custos operacionais, observou Lee.

Isso, é claro, é agravado pela recente queda no tráfego. Em um relatório, analistas da Daiwa disseram que a liquidez dos operadores de cassinos de Macau deve ser avaliada “em meio a um ambiente de receita zero”.

Crise de caixa

A crise está causando dores de cabeça para executivos no exterior.

Recentemente, tanto o Sands quanto o Wynn recorreram a seus proprietários para ajudá-los a enfrentar a tempestade, com empréstimos garantidos de cada uma de suas empresas-mãe nos EUA, segundo analistas da Bernstein.

Mas as novas restrições também chegam em um momento particularmente complicado, pois espera-se que os operadores de cassinos licitem em breve uma nova licença para continuar operando em Macau, disse Lee.

O processo requer uma prova significativa de liquidez – essencialmente centenas de milhões de dólares em dinheiro, acrescentou.

Assim, enquanto os negócios já estão sobrecarregados, “as empresas-mãe dessas subsidiárias altamente alavancadas precisam injetar dinheiro nas subsidiárias de Macau, [e] elas têm que carregar o fardo nos Estados Unidos, ou onde quer que estejam”, disse Lee.

Apesar da turbulência, Lee não espera que nenhum operador perca a chance de jogar seus chapéus no ringue para novas licenças.

As empresas já incorreram em pesados “custos irrecuperáveis” em Macau, disse ele, apontando para algumas que renovaram recentemente propriedades ou fizeram outros grandes investimentos pouco antes da pandemia.

“Eles não podem se dar ao luxo de desistir, porque se desistirem, não terão nada.”

(CNN Brasil – Shawn Deng em Toronto e Lauren Lau e Akanksha Sharma em Hong Kong contribuíram para este relatório.)

***

Macau espera flexibilizar contramedidas Covid-19 a partir de 23 de julho

As autoridades de Macau pretendem passar para uma nova “fase de consolidação” a partir de 23 de julho, enquanto os novos casos de Covid-19 continuarem a diminuir.

O governo de Macau prepara-se para entrar numa nova fase com o objetivo de retomar as atividades o mais rapidamente possível após um dos seus piores surtos de casos de Covid-19. De acordo com relatos da mídia local, Ho Iat Seng, executivo-chefe de Macau, realizou uma série de reuniões com as autoridades de saúde para traçar uma “fase de consolidação” a partir de 23 de julho.

Esta nova etapa só será possível se o número diário de novos casos de Covid-19 continuar a diminuir. Provavelmente duraria duas semanas e permitiria que as atividades comerciais fossem retomadas de forma seletiva. Macau registrou 1.765 casos de Covid-19 desde 19 de junho.

No entanto, Ho Iat Seng apontou: “Todo departamento público deve preencher as lacunas em seu trabalho de prevenção e controle de epidemias e lutar pela meta de ‘zero Covid-19’ na comunidade para que a vida das pessoas possa voltar ao normal o mais rápido possível.”

Os cassinos estão fechados desde 11 de julho e devem reabrir suas portas na sexta-feira, 22 de julho. Cinco resorts de cassino estão sendo usados como acomodação em quarentena. Studio City, administrado pela Melco Resorts and Entertainment Ltd, e Broadway Macau, administrado pelo Galaxy Entertainment Group Ltd, foram adicionados à lista em 14 de julho. (Focus Gaming News)

Comentar com o Facebook
error: O conteúdo está protegido.