Justiça de SP condena casa de aposta a pagar prêmio de jogador

Apostas I 06.07.24

Por: Magno José

Compartilhe:
'Bolão dos togados': mais de 200 juízes apostam juntos na Mega-Sena da Virada
Casa de aposta Free Bet bloqueou prêmio de R$5 mil de jogador em 2023; homem acertou palpite de jogo de futebol dinamarquês. O caso ainda cabe recurso da plataforma de apostas

A Justiça de São Paulo condenou, nessa quarta-feira (3/7), a casa de aposta Free Bet Jogos Ltda a fazer o pagamento de um prêmio a um cliente que teve seu saldo bloqueado após vencer o palpite de um jogo.

Na decisão da juíza Carolina Gonzalez Azevedo Tassinari, da 1º Vara de Estrela d’Oeste, no interior de São Paulo, a empresa foi condenada a liberar o prêmio de R$5 mil com correções monetárias.

Em outubro do ano passado, Júlio César Ferreira da Silva havia apostado mil reais em um jogo da liga dinamarquesa de futebol e acertou o palpite de que o time Hillerod venceria contra o Sonderjyske. Mas, ao tentar sacar o valor do prêmio, de R$5 mil, passou a enfrentas problemas internos no site.

O advogado de Júlio, Roberto Eliezer Cicilio Junior, conta que seu cliente fez diversas reclamações até decidir buscar a Justiça. Segundo ele, a empresa justificou o bloqueio do saldo porque Júlio tinha o hábito de fazer apostas com valores mais baixos e que, por isso, a vitória poderia ser uma fraude.

Roberto explica que o argumento foi rebatido com o fato de que o jogo em questão tinha uma “boa odd”, ou seja, tratava-se de uma aposta com boa cotação de pagamento em caso de vitória. Após a decisão da Justiça, a Free Bet liberou o saldo do jogador.

No processo, o jogador solicitou o pagamento e pediu que a casa de aposta arcasse com os custos do processo e honorários advocatícios, mas esse o pedido foi negado pela Justiça paulista.

Apesar da experiência, Júlio não perdeu sua crença no jogo de azar: “Ele continua apostando, em outras casas de apostas, principalmente nas mais famosas”, relata seu advogado, Roberto.

O caso ainda cabe recurso pela Free Bet. A reportagem do Metrópoles procurou a defesa da empresa por telefone, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem. O espaço permanece aberto.

 

Comentar com o Facebook